quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Yaohúshua

Yaohúshua


Yaohúshua 1

YÁOHU ULHÍM comissiona Yaohúshua

1Depois da morte de Mehushúa, o servo de YÁOHU UL, YÁOHU ULHÍM falou àquele que tinha ido o
ajudante de Mehushúa, e cujo nome era Yaohúshua, filho de Nun, e disse-lhe: 2-5"Mehushúa, o meu servo,
morreu. Leva pois o povo a atravessar o Yardayán para a terra prometida. Digo-te a ti o mesmo que disse a
Mehushúa: Todo o sítio para onde fores será terra pertencente a Yaoshorúl -desde o deserto do Négev no
sul até às montanhas do Lebanon ao norte; e desde o Mar Mediterrâneo a poente até ao rio Eufrates no
oriente, incluindo toda a terra dos heteus. Ninguém terá a força bastante para se opor a ti enquanto viveres,
porque serei contigo tal como fui com Mehushúa; não te abandonarei nem te desampararei. 6-7Esforça-te e
tem ânimo, pois que serás bem sucedido na chefia do meu povo; este conquistará toda a terra que prometi
aos seus antepassados. Precisas apenas de ser forte e corajoso e de obedecer literalmente a todas as leis
que Mehushúa te deu, visto que se fores cuidadoso no cumprimento de cada uma delas, tudo o resto te
correrá bem. 8-9Lembra constantemente ao povo estas leis, e tu próprio deverás meditar nelas dia e noite,
para teres a certeza de que lhes obedeces integralmente, porque só então terás sucesso. Sim, sê ousado e
forte! Abandona o medo e a dúvida! Não te deves esquecer de que YÁOHU ULHÍM está contigo para onde
quer que vás." 10-11Então Yaohúshua deu instruções a todos os líderes de Yaoshorúl que dissessem ao
povo para estar pronto para atravessar o rio Yardayán. "Daqui a três dias passaremos para o lado de lá,
conquistaremos a terra que YÁOHU ULHÍM nos deu e passaremos a viver ali", disse-lhes ele. 12-15Depois
convocou os líderes das tribos de Ro-ibén, de Gaóld e da meia-tribo de Menashé, e lembrou-lhes o acordo
que tinham feito com Mehushúa: " YÁOHU ULHÍM vosso Criador Eterno deu-vos uma terra para vocês aqui
neste lado oriental do Yardayán -foi mesmo Mehushúa quem vos disse isso -por isso as vossas mulheres,
os vossos filhos e o gado podem ficar aqui, mas os homens aptos para combater deverão passar o
Yardayán com os outros, com todo o seu armamento e à frente dos outros todos, para participar com eles
na conquista do território que está na outra margem; só os deixarão para voltarem à sua terra quando
tiverem conquistado toda a terra. Só nessa altura se estabelecerão difinitivamente nesta margem oriental do
Yardayán." 16Eles concordaram com isto, garantindo que obedeceriam a Yaohúshua. 17-18"Obedcer-teemos
tal como obedecemos a Mehushúa", asseguraram eles, "e que YÁOHU ULHÍM, teu Criador Eterno
seja contigo tal como foi com Mehushúa. Se alguém, seja quem for, se rebelar contra as tuas ordens,
deverá morrer. Por isso, vai para a frente com coragem e bom ânimo!"

Yaohúshua 2

Rahab e os espiões

1Então Yaohúshua enviou dois espiões dali onde se encontrava o campo Yaoshorulíta em Sitim, para que
passassem o rio e se dessem conta secretamente de qual era a situação no outro lado, especialmente em
Yáricho. Foi assim que eles vieram ter a uma estalagem dirigida por uma mulher chamada Rahab que era
uma meretriz. E resolveram passar ali a noite. 2No entanto alguém foi informar o rei, governador de Yáricho,
de que dois Yaoshorulítas, suspeitos de serem espias, tinham chegado à cidade naquela noite.
Imediatamente foi despachado um contingente militar para a casa de Rahab, a fim que esta os entregasse.
3"São espias", explicaram-lhe eles. "Foram mandados pelos chefes Yaoshorulítas para estudarem a melhor
forma de nos atacarem." 4-5Mas ela tinha-os escondido, e por isso disse ao chefe do destacamento: "Os
homens estiveram cá durante o dia, mas eu não sabia que eram espias. Deixaram a cidade ao anoitecer
quando as portas da cidade estavam a fechar-se e não sei para onde foram. Se se despacharem talvez
ainda os apanhem." 6-7Mas na realidade ela tinha-os feito subir ao terraço da casa e escondido sob uns
fardos de linho que ali estavam a secar. Assim o chefe daquele contingente policial mais os seus homens
foram correndo até à beira do vale do Yardayán à procura deles, enquanto era dada ordem para que as
portas da cidade se mantivessem definitivamente fechadas. 8Rahab subiu então para falar com os homens
antes que se deitassem: 9-13"Sei muito bem que o vosso Criador Eterno já vos deu esta minha terra.
Estamos todos com medo de vocês; basta só que o nome de Yaoshorúl seja mencionado para ficarmos
aterrorizados. Ouvimos como YÁOHU ULHÍM vos abriu um caminho através do Mar Vermelho quando
saíram do Egipto. E sabemos o que fizeram a Siom e a Ogue, os dois reis amorreus, do outro lado do
Yardayán, e como os destruíram totalmente. Por essa razão não é para admirar que estejamos com muito
medo de vocês! Não há já ninguém com ânimo para lutar depois de ouvir coisas destas, porque o vosso
Criador Eterno é na verdade YÁOHU ULHÍM supremo no céu e na terra. E queria pedir-vos agora o
seguinte: Jurem-me pelo vosso Criador Eterno que quando conquistarem Yáricho me deixarão com vida,
assim como o meu pai e a minha mãe, meus irmãos e irmãs, mais as famílias deles. Façam-me isso,
atendendo à ajuda que vos estou a dar." 14Os homens estiveram de acordo. "Se não nos atraiçoares
faremos com que tu e a tua família não sofram dano", prometeram. "Proteger-vos-emos, se for preciso
dando a nossa própria vida". 15Seguidamente, visto que a casa dela estava construída sobre a própria
muralha da cidade, desceu-os com uma corda, por uma janela. 16"Fujam para as montanhas", aconselhou
ela. "Escondam-se lá durante três dias até que os homens que andam à vossa procura tenham voltado.
Depois então regressem." 17-20Mas antes de partirem os dois homens ainda quiseram dizer-lhe o seguinte:
"Não poderemos ser responsáveis por aquilo que possa vir a acontecer-te se não deixares esta corda, feita
de fio vermelho, suspensa da janela, e também se os teus parentes -o teu pai, a tua mãe, irmãos e outros
familiares-não estiverem escondidos dentro da casa. No caso de saírem para a rua já não nos
responsabilizamos por eles; mas juramos que seja quem for que estiver dentro da casa não será morto nem
ferido. E além disso, se nos traires é evidente que o nosso juramento também não nos obrigará a coisa
nenhuma." 21-23"Aceito essas condições", replicou ela. E deixou o fio cor de escarlate pendurado na janela.
Os espias dirigiram-se para as montanhas e por lá ficaram três dias, até que aquela gente que tinha ido no
seu encalço tivessem voltado para a cidade depois de os terem procurado em vão ao longo do caminho até
ao Yardayán. Só então os dois espias desceram das montanhas, atravessaram o Yardayán e puderam
enfim relatar a Yaohúshua o que lhes tinha acontecido. 24" YÁOHU ULHÍM vai com certeza dar-nos toda
esta terra", disseram eles, "porque a gente ali morre de medo por nossa causa."

Yaohúshua 3

A travessia do Yardayán

1Na manhã seguinte, logo muito cedo, Yaohúshua e o povo de Yaoshorúl deixaram Acácia, e vieram até às
margens do rio Yardayán, onde ficaram acampados durante alguns dias antes de o atravessarem. 2-4No
terceiro dia foram mandados chefes por todo o acampamento com estas instruções: "Quando virem os
intermediários transportar a arca de YÁOHU UL vosso Criador Eterno, sigam-na. Vocês nunca antes fizeram
este caminho, por isso precisam que vos guiem. Mantenham uma distância aproximada de um quilómetro
entre vocês e a arca; tenham cuidado em não se aproximarem mais do que essa distância indicada."
5Seguidamente Yaohúshua mandou aos intermediários que cumprissem a cerimónia da sua purificação.
"Porque amanhã", disse ele, " YÁOHU ULHÍM fará um grande milagre." 6Pela manhã Yaohúshua deu
ordens aos intermediários desta maneira: "Levantem a arca e atravessem o rio à nossa frente." E eles assim
foram, andando diante do povo. 7-8"Hoje", disse YÁOHU ULHÍM a Yaohúshua, "aumentará muito a tua
autoridade perante todo o povo; porque Yaoshorúl constatará que eu estou contigo tal como estive com
Mehushúa. Dá instruções aos intermediários para que parem mesmo à beira do rio." 9Então Yaohúshua
convocou toda a gente e disse-lhes: "Venham ouvir o que YÁOHU ULHÍM vosso Criador Eterno disse. 1011Hoje
vão dar-se conta seguramente que YÁOHU ULHÍM vivo está no vosso meio e que sem falta
nenhuma ele expulsará daquela terra os cananeus, os heteus, os heveus, os perizeus, os girgaseus, os
amorreus e os jebuseus -eles todos, povos habitando actualmente no território que em breve vão habitar.
Reparem bem numa coisa-é que a arca de YÁOHU ULHÍM, que é YÁOHU ULHÍM de toda a terra, vos
conduzirá através do rio! 12-13Por isso, elejam doze homens, um de cada tribo, para a tarefa especial que
lhes vai ser indicada. Quando os intermediários que transportarem a arca tocarem na água com os pés, o
rio parará de correr, como se as águas estivessem a ser retidas por uma represa, amontoar-se-ão como se
uma muralha invencível as retivesse!" 14-17Acontecia ser a época das colheitas, o que correspondia com
as cheias do Yardayán, em que o rio saía do leito e as águas inundavam os terrenos marginais; no entanto,
logo que o povo se preparou para atravessar o rio e os pés dos intermediários que transportavam a arca
entraram na água, imediatamente as águas começaram a amontoar-se como se tivessem encontrado um
dique, e isto já muito acima, na cidade de Adã, perto de Zaretã! As águas abaixo desse ponte foram
correndo para o Mar Salgado, até que o leito ficou sem água nenhuma. Então todo o povo passou, no sítio
em que o rio mais se aproximava da cidade de Yáricho, e os intermediários que transportavam a arca
permaneceram ali no meio do Yardayán, sobre terra sem água, até que toda a gente passou para o outro
lado.

Yaohúshua 4

1Quando o povo passou em perfeita segurança, YÁOHU ULHÍM disse a Yaohúshua: 2-3"Diz aos doze
homens escolhidos para executarem a tal tarefa especial, um de cada tribo, que peguem cada um deles
numa pedra do sítio onde os intermediários permaneceram no meio do Yardayán, e que as levem para
construírem um monumento no lugar em que acamparem esta noite." 4-7Foi assim que Yaohúshua
convocou os doze homens referidos e lhes disse: "Vão até ao meio do Yardayán onde a arca parou e que
cada um traga sobre os ombros uma pedra -doze pedras ao todo, uma por cada uma das doze tribos.
Servirão para levantarmos um monumento. Quando no futuro os vossos filhos perguntarem, 'Que
monumento é este?', terão ocasião de lhes responder assim: 'É para nos lembrarmos de que o rio Yardayán
parou de correr quando a arca de YÁOHU ULHÍM teve de o atravessar!' Este monumento tornar-se-á um
memorial perpétuo para o povo de Yaoshorúl que lhes recordará este espantoso milagre." 8-9Os homens
fizeram como Yaohúshua lhes mandou. Pegaram em doze pedras do meio do rio -uma por cada tribo,
segundo a ordem dada pelo YÁOHU ULHÍM a Yaohúshua. Levaram-nas até ao sítio em que acamparam
naquela noite e ergueram ali mesmo o monumento em questão. Yaohúshua aliás construiu também um
outro monumento no próprio lugar em que os intermediários tinham ficado de pé enquanto o povo passava;
e ali está até ao dia de hoje. 10-11Portanto, os intermediários que transportavam a arca não saíram dali, do
meio do rio, sem que todas estas instruções que YÁOHU ULHÍM tinha dado a Yaohúshua, ainda por
intermédio de Mehushúa, tivessem sido cumpridas. Entretanto o povo tinha-se apressado a passar para o
outro lado do rio, e quando toda a gente passou, ficaram observando os intermediários levando a arca no
meio do rio. 12-13As tropas de Ro-ibén, de Gaóld e da meia-tribo de Menashé -com todo o seu armamento
segundo as determinações dadas pomr Mehushúa, e formada por quarenta mil homens de guerra- tomaram
a dianteira em relação às outras tribos que formavam o exército de YÁOHU UL, nas acções militares
através das campinas do Yardayán. 14-16Foi também um dia muito importante na vida de Yaohúshua.
YÁOHU ULHÍM deu-lhe um grande prestígio aos olhos de todo o povo de Yaoshorúl, e respeitaram-no tanto
como a Mehushúa, e não só naquela altura mas por toda a sua vida. Porque foi Yaohúshua quem, a
mandado de YÁOHU UL, dava as instruções aos intermediários que transportavam a arca. "Subam agora
do rio", foi a ordem que YÁOHU ULHÍM lhe deu para que a transmitisse. 17-18Yaohúshua disse-lhes isso, e
logo que os intermediários sairam do leito do Yardayán as águas começaram a correr como usualmente,
transbordando acima das margens como antes. 19-20Este milagre deu-se no dia 25 de Março. Foi pois
nesse dia que toda a nação passou o Yardayán tendo acampado em Gilgal, a oriente da cidade de Yáricho.
E nesse sítio as doze pedras do Yardayán foram erguidas como um monumento. 21-24Yaohúshua expos de
novo o propósito daquele monumento de pedras: "No futuro, quando os vossos filhos vos perguntarem
porque é que estão aqui estas pedras assim, e que representam elas, hão-de dizer-lhes que são um
memorial que recorda o maravilhoso acontecimento de toda a nação de Yaoshorúl ter atravessado o
Yardayán por terra seca! Deverão dizer-lhes como YÁOHU ULHÍM, nosso Criador Eterno secou o rio,
mesmo ali sob os nossos olhos, e o manteve seco enquanto passávamos todos! Foi aliás a mesma coisa
que YÁOHU ULHÍM fez quarenta anos atrás no Mar Vermelho! E fez isso para que todas as nações da terra
se dessem conta de que YÁOHU ULHÍM é YÁOHU ULHÍM poderoso, e para que vocês todos o adorem
para sempre."

Yaohúshua 5

A circuncisão em Gilgal


1Quando as nações da banda ocidental do Yardayán -os amorreus, mais os cananeus, que viviam, estes
últimos, na costa do Mediterrâneo -ouviram que YÁOHU ULHÍM tinha secado o rio Yardayán para que o
povo de Yaoshorúl pudesse passar, foi-se-lhes o alento, completamente, e ficaram paralisados de terror. 2-3
YÁOHU ULHÍM disse a Yaohúshua que reservasse um dia para circuncidar a população masculina de
Yaoshorúl. YÁOHU ULHÍM deu-lhes instruções para fazerem facas de pedra, próprias para esse fim. O local
onde o rito da circuncisão teve lugar foi chamado A Colina dos Prepúcios. 4-7A razão desta segunda
cerimónia da circuncisão foi a seguinte: é que apesar de todos os homens que saíram do Egipto com idade
de pegarem em arma terem sido circuncidados, toda essa geração morrera durante a travessia do deserto e
nenhum dos rapazes nascidos depois tinha passado por esse rito. Porque a nação de Yaoshorúl percorrera
o deserto, andando em várias direcções durante quarenta anos até que todos os homens em idade de
serviço de combate na altura em que deixaram o Egipto morreram; visto que não tinham obedecido a
YÁOHU ULHÍM, o qual lhes dissera que não haveriam de entrar na terra que prometera a Yaoshorúl -uma
terra onde brotam o leite e o mel. Foi pois essa a razão porque Yaohúshua circuncidou os filhos deles-os
homens que tinham crescido para tomarem o lugar dos seus pais. 8-9E YÁOHU ULHÍM disse a Yaohúshua:
"Hoje pus fim à vergonha de não serem cicuncidados. Assim, o local em que isto foi feito chamou-se Gilgal,
e assim é chamado até hoje. Após a cerimónia, a nação inteira repousou no acampamento até que as
feridas sarassem. 10-12Enquanto estavam acampados ali em Gilgal nas campinas do Yardayán,
celebraram a Pósqayao durante a noite do dia catorze do mês. No dia seguinte começaram a comer da fruta
e dos cereais dos campos que invadiram, tendo feito pães sem fermento. Passado mais um dia, o maná
deixou de cair e nunca mais ninguém o achou. Portanto, a partir dessa altura eles passaram a comer das
searas de Canaã.
A conquista de Yáricho
13Numa ocasião em que Yaohúshua estava perto da cidade de Yáricho apareceu-lhe um homem junto dele
com uma espada desembainhada. Yaohúshua avançou para ele e perguntou: "És amigo ou inimigo?"
14"Sou o comandante do exército de YÁOHU UL."Yaohúshua caiu por terra perante ele, adorou-o e disse-
lhe: "Dá-me as tuas ordens." 15"Descalça-te porque este solo é santo." E Yaohúshua obedeceu.

Yaohúshua 6

1Os portais de Yáricho eram mantidos hermeticamente fechados, pois que o povo ali estava cheio de medo
dos Yaoshorulítas; não deixavam ninguém entrar nem sair. 2-5Mas YÁOHU ULHÍM disse a Yaohúshua:
"Yáricho, o seu rei e todos os seus valentes guerreiros encontram-se praticamente derrotados, porque já os
entreguei nas vossas mãos. O vosso exército, com todos os seus efectivos, deverá rodear a cidade uma vez
por dia durante seis dias, seguidos por sete intermediários que levarão a arca, e cada um deles com uma
trombeta feita de chifre de carneiro. No sétimo dia darão a volta à cidade sete vezes, com os intermediários
tocando as trombetas. E então, quando eles soprarem um longo e alto toque, todo o povo deverá gritar com
muita força. Nessa altura as muralhas da cidade cairão e poderão lá entrar por todos os lados." 6-9Assim
Yaohúshua convocou os intermediários e deu-lhes instruções: os homens armados conduziriam o cortejo,
seguidos de sete intermediários soprando continuamente as trombetas. Atrás deles deveriam vir os
intermediários transportando a arca; fechando o cortejo, à retaguarda, seguia um contingente. 10"Ninguém
falará, nem dirá nada; só se ouvirão as trombetas a tocar", mandou Yaohúshua. "Não dirão sequer uma
palavra até que vos diga para gritarem; então gritem!" 11-14A arca rodeou a cidade uma vez nesse dia,
depois do que toda a gente regressou ao acampamento para passarem a noite. Ao amanhecer do dia
seguinte foram de novo rodear a cidade e voltaram para o acampamento. Fizeram isso durante seis dias.
15-16Na manhã do sétimo dia fizeram o mesmo, para começar; mas desta vez rodearam a cidade não uma,
mas sete vezes. À sétima vez, quando os intermediários tocaram um som alto e muito longo com as
trombetas, Yaohúshua bradou para o povo, "Gritem! YÁOHU ULHÍM deu-nos a cidade!" 17
19(Anteriormente ele tinha-lhes dito: "Matem toda a gente, com excepção de Rahab, a meretriz, e de todos
os que estiverem na sua casa, pois que protegeu os nossos espias. Não fiquem com coisa nenhuma do
saque -tudo deverá ser destruído. Se assim não fizerem, cairá a desgraça sobre a nação de Yaoshorúl. No
entanto, a prata e ouro, os utensílios de bronze e de ferro, tudo isso será consagrado a YÁOHU ULHÍM e
deverá ser levado para o tesouro do Templo.") 20-21Assim, quando o povo ouviu o toque das trombetas,
gritaram tão alto quanto podiam. E repentinamente as muralhas de Yáricho ruíram, cairam na sua frente; o
povo de Yaoshorúl irrompeu sobre elas, penetrando na cidade por todos os lados e conquistou-a.
Destruíram tudo -homens e mulheres, novos e velhos; bois, cordeiros, jumentos-tudo. 22Yaohúshua disse
aos dois espias, "Mantenham a vossa palavra, quanto à promessa que fizeram. Recolham a meretriz e os
que estão com ela." 23-24Os homens foram e trouxeram-na, a ela e ao pai, à mãe, aos irmãos e outros
parentes que lá se encontravam. E deixaram-nos ficar a viver fora do acampamento de Yaoshorúl. Os
Yaoshorulítas queimaram a cidade e tudo o que lá havia, com excepção da prata, do ouro, dos utensílios de
bronze e de ferro que foram levados para o tesouro de YÁOHU UL. 25Yaohúshua salvou pois Rahab, a
meretriz, mais os seus parentes que estavam com ela dentro de casa, e vivem ainda hoje entre os
Yaoshorulítas, pois que ela escondeu os espias que Yaohúshua mandara a Yáricho. 26Então Yaohúshua
declarou uma maldição sobre quem viesse a reconstruir Yáricho, advertindo de que quando os seus
fundamentos fossem repostos, o filho mais velho do construtor haveria de morrer, e quando as suas portas
fossem montadas, seria o filho mais novo desse alguém que morreria. 27Desta forma YÁOHU ULHÍM
estava com Yaohúshua e o seu nome tornou-se famoso por toda a parte.

Yaohúshua 7

O pecado de Acã

1Mas o certo é que houve quem pecasse entre os Yaoshorulítas. A ordem de YÁOHU ULHÍM de tudo
destruir com excepção daquilo que tinha sido reservado para o tesouro de YÁOHU UL foi desobedecida.
Com efeito Acã (filho de Carmi, neto de Zabdi e bisneto de Zoro, da tribo de YAOHÚ-dah) guardou algum do
saque para si; YÁOHU ULHÍM ficou extremamente irado com toda a nação de Yaoshorúl por causa disso.
2Pouco depois da derrota sofrida por Yáricho, Yaohúshua enviou alguns dos seus homens a espiarem a
cidade de Ai, a oriente de Bohay-Úl. 3Quando regressaram disseram-lhe assim: "Trata-se duma pequena
cidade e não serão precisos mais de dois ou três mil de nós para a destruir; não há necessidade nenhuma
de lá irmos todos." 4-6E assim foram enviados para lá aproximadamente três mil soldados -e eles foram
batidos completamente. Aproximadamente trinta e seis Yaoshorulítas foram mortos durante o ataque e
muitos outros foram atacados durante a perseguição que os homens de Ai lhes moveram até ao sítio das
pedreiras. O exército Yaoshorulíta ficou desolado e sem ânimo algum perante o sucedido. Yaohúshua e os
anciãos rasgaram a roupa que traziam e prostraram-se perante a arca de YÁOHU UL até à noite, pondo
terra nas cabeças. 7-9Yaohúshua clamou a YÁOHU ULHÍM: "Ó YÁOHU ULHÍM, porque razão nos fizeste
passar o Yardayán se vais deixar os amorreus matar-nos? O melhor que devíamos ter feito era
contentarmo-nos em ficar do outro lado de lá! Ó YÁOHU ULHÍM, que hei-de eu fazer agora que Yaoshorúl
fugiu dos seus inimigos? Porque quando os cananeus e os outros povos dos arredores ouvirem o que se
passou, cercar-nos-ão e hão-de atacar-nos e expulsar-nos. Que vai acontecer à honra do teu grande
nome?" 10-12Mas YÁOHU ULHÍM respondeu-lhe: "Levanta-te! Não fiques assim prostrado com o rosto em
terra. É que Yaoshorúl pecou e desobedeceu às minhas ordens, tendo ficado com parte do saque quando
eu lhes tinha dito expressamente que não ficassem com coisa nenhuma; não somente ficaram com isso
mas mentiram e esconderam-no entre a sua bagagem. Foi essa a razão porque Yaoshorúl foi batido. Foi
por isso que os teus homens fugiram dos inimigos -é que estavam sob a maldição. Não estarei convosco
enquanto esse pecado não for desarraigado completamente do vosso meio. 13-15Vamos, levanta-te! Diz ao
povo assim: 'Que cada um se submeta aos ritos próprios da purificação, preparando-se para o dia de
amanhã, porque YÁOHU ULHÍM o Criador Eterno de Yaoshorúl diz que alguém pretendeu roubá-lo, e dessa
maneira vocês não podem derrotar os vossos inimigos até que expulsem esse pecado. Logo de manhã
deverão vir por tribos, e YÁOHU ULHÍM indicará a tribo a quem pertence o culpado. Essa tribo apresentar-
se-á por clãs, e YÁOHU ULHÍM apontará a clã culpada; depois virão as famílias dessa clã uma a uma, e
YÁOHU ULHÍM mostrará qual a culpada. Aquele que subtraiu o que pertencia a YÁOHU ULHÍM deverá ser
queimado, acompanhado de tudo o que lhe pertence, pois que violou o acordo feito com YÁOHU ULHÍM e
trouxe a desgraça sobre Yaoshorúl.'" 16-18Assim de manhã cedo Yaohúshua trouxe as tribos de Yaoshorúl
perante YÁOHU ULHÍM, e foi indicada a tribo de YAOHÚ-dah. Depois apresentaram-se as clãs respectivas
e foi assinalada a clã de Zoro. Depois foram trazidas à presença de YÁOHU UL as famílias dessa clã e ficou
isolada a de Zabdi. Por fim vieram os homens dessa família, um a um, e foi o neto de Zabdi, Acã, que se
revelou culpado. 19Yaohúshua disse a Acã: "Meu filho, dá glória a YÁOHU ULHÍM de Yaoshorúl e confessa
o teu pecado. Diz-me o que foi que fizeste." 20-21Acã respondeu: "Pequei contra YÁOHU ULHÍM, o Criador
Eterno de Yaoshorúl. Vi uma bela capa babilónica, e alguma prata pesando uns dois quilos, assim como
uma barra de ouro de uns quinhentos gramas. Cobicei isso de tal maneira que fiquei com tudo para mim e
está escondido debaixo do chão da minha tenda, com a prata enterrada por baixo de tudo." 2223Yaohúshua
mandou alguns homens procurarem essa parte do despojo. Foram a correr à tenda e lá
encontraram as coisas escondidas segundo a indicação de Acã, e a prata por baixo do resto. Trouxeram
tudo a Yaohúshua e colocaram no chão aos seus pés. 24-26Yaohúshua e todos os Yaoshorulítas pegaram
em Acã, na prata, na capa e na pequena barra de ouro, nos seus filhos e filhas, no seu gado, jumentos,
cordeiros, na sua tenda, em tudo o que possuía e levaram todos e tudo para o vale de Acor. Então
Yaohúshua disse a Acã: "Porque foi que preferiste trazer sobre nós todos a desgraça? YÁOHU ULHÍM
agora te desgraça a ti." E os homens de Yaoshorúl apedrejaram-nos até morrerem e queimaram os seus
corpos. As pedras ainda lá estão, hoje em dia, e continua actualmente a ser chamado, aquele sítio, o vale
da Desgraça. Foi assim que a ira tremenda de YÁOHU UL se apaziguou.
Yaohúshua 8

A destruição de Ai

1-2Então YÁOHU ULHÍM disse a Yaohúshua: "Não tenhas medo, nem te desencorajes. Leva o exército
todo e avança contra Ai, porque agora hás-de conquistá-la. Entreguei-te o rei de Ai, assim como todo o seu
povo, nas tuas mãos. Farás com eles como fizeste a Yáricho e ao seu rei, mas desta vez poderão guardar o
que tiver sido saqueado, mais o gado, para vocês. Ponham uma emboscada por detrás da cidade." 34Antes
que o grosso do exército se deslocasse para Ai, Yaohúshua enviou trinta mil dos seus soldados
mais valentes para se emboscarem, mesmo atrás da cidade, preparados para entrarem em acção. 5-8"É
este o plano", explicou-lhes. "Quando o exército atacar, os homens de Ai virão combater-nos como fizeram
antes, e nós fugiremos. Deixá-los-emos perseguirem-nos até que todos tenham abandonado a povoação;
porque hão-de pensar assim, 'Os Yaoshorulítas estão a fugir de nós, tal como fizeram antes!' Será então a
altura de vocês saírem da vossa emboscada e de entrarem na cidade, porque é YÁOHU ULHÍM quem vo-la
dá. Ponham fogo a tudo; é a ordem de YÁOHU UL. São estas as instruções que terão que cumprir." 913Assim
aquele batalhão de soldados especiais partiu de noite e emboscou-se entre Bohay-Úl e o ocidente
de Ai. Mas Yaohúshua e o resto do exército permaneceu no acampamento em Yáricho. Na manhã seguinte
logo muito cedo Yaohúshua despertou os seus homens e partiu para Ai, acompanhado dos anciãos de
Yaoshorúl, e parou à entrada do vale que está a norte da cidade. Ainda durante a noite, Yaohúshua tinha
mandado mais cinco mil homens-além dos outros trinta mil-para se juntarem às tropas emboscadas a
oeste da povoação. Ele próprio passara a noite no vale a norte da cidade. P 14-17O rei de Ai, vendo os
Yaoshorulítas espalhados nesse vale, saiu logo e atacou-os na planície de Arabá. Não se deu conta de que
havia uma emboscada por detrás da povoação. O exército Yaoshorulíta com Yaohúshua no comando fugiu
em direcção do deserto como se já estivesse a ser derrotado por eles; por isso todos os combatentes da
povoação foram chamados a perseguirem-nos, deixando-a dessa forma sem defesa. Não ficou um só
soldado em Ai, nem sequer em Bohay-Úl, e as portas da cidade ficaram abertas de par em par. 18-23Então
YÁOHU ULHÍM disse a Yaohúshua: "Aponta a tua lança em direcção a Ai porque ta darei. Yaohúshua
obedeceu. E quando os homens da emboscada viram aquele sinal saltaram dos esconderijos e lançaram-se
sobre a cidade, pondo-lhe fogo. A gente de Ai voltou-se e viu o fumo da sua cidade escurecendo o céu,
percebendo então que não tinham para onde ir. Yaohúshua e os seus soldados ao verem igualmente o
fumo do incêndio tiveram a certeza de que os companheiros que tinham ficado emboscados se
encontravam já dentro da povoação; então voltaram-se contra os seus perseguidores e começaram a
liquidá-los. Os Yaoshorulítas que estavam em Ai sairam e puseram-se também, da sua banda, a destruí-los,
de tal forma que, apanhados entre as duas forças, como numa ratoeira, acabaram todos por morrer;
nenhum escapou ou sobreviveu excepto o rei que foi capturado e trazido a Yaohúshua. 24Quando o
exército de Yaoshorúl acabou de matar os homens todos que se encontravam fora da cidade, voltaram para
a povoação e mataram a gente que lá tinha ficado dentro. 25Foi assim que a população de Ai, ao todo doze
mil pessoas, caiu naquele dia. 26-28Porque Yaohúshua manteve a sua lança apontada para Ai até que toda
a gente tivesse morrido. Somente o gado e o despojo saqueado não foi destruído, pois desta vez os
combatentes de Yaoshorúl puderam guardar isso para si. Aliás foi mesmo YÁOHU ULHÍM quem disse a
Yaohúshua que eles podiam fazer isso desta vez. Ai tornou-se num montão de ruínas desoladas e assim se
manteve até ao dia de hoje. 29Yaohúshua mandou enforcar o rei de Ai numa árvore e lá ficar até ao fim do
dia; ao pôr do sol tiraram o corpo e puseram-no num sítio em frente da porta da povoação, levantando sobre
ele um grande montão de pedras, que ainda lá se pode ver hoje.

A aliança renovada no monte Ebal

30-32Depois Yaohúshua construiu um altar a YÁOHU ULHÍM o Criador Eterno de Yaoshorúl no monte Ebal,
tal como Mehushúa mandara e está escrito no livro das suas leis: " YÁOHU ULHÍM diz para lhe levantarem
um altar no monte Ebal, feito de pedras inteiras e que nunca tenham sido esculpidas". Então os
intermediários ofereceram holocaustos e sacrifícios de paz a YÁOHU ULHÍM sobre o altar. E na frente de
todo o povo de Yaoshorúl Yaohúshua gravou sobre as pedras do altar cada um dos dez mandamentos.
33Todo o povo de Yaoshorúl, incluindo os anciãos, os chefes, os juízes e os estrangeiros que viviam com
Yaoshorúl, se dividiu em dois grupos, metade pondo-se junto ao monte de Gerizim e a outra metade ao pé
do monte Ebal. Entre os dois grupos puseram-se os intermediários com a arca, prontos a pronunciar as
suas bênçãos. Tudo isto foi feito de acordo com as instruções dadas muito antes por Mehushúa. 3435Yaohúshua
leu-lhes todo o texto, exprimindo as bençãos e as maldições que Mehushúa escrevera no
livro das leis de YÁOHU ULHÍM. Todos os mandamentos que Mehushúa tinha dado anteriormente foram
lidos perante a assembleia inteira, incluindo mulheres, crianças e estrangeiros que viviam com eles.

Yaohúshua 9

O ardil do povo de Gibeão

1-2Quando os reis das áreas cicunvizinhas ouviram o que aconteceu a Yáricho, rapidamente reuniram os
exércitos para lutarem em defesa das suas vidas contra Yaohúshua e os Yaoshorulítas. Os povos que
esses reis governavam a ocidente do Yardayán, ao longo do Mar Mediterrâneo até ao norte às montanhas
do Lebanon, eram os seguintes: heteus, amorreus, cananeus, perizeus, heveus e jebuseus. 3-6Mas quando

o povo de Gibeão soube o que aconteceu a Yáricho e a Ai, resolveu antes usar de um ardil para salvarem
as vidas. Enviaram embaixadores a Yaohúshua vestidos com roupas usadas e sujas, como se viessem
duma longa viagem, com sapatos muito gastos e remendados, velhos sacos sobre os jumentos, odres de
vinhos velhos e rotos e pão todo seco e bolorento. Quando chegaram ao acampamento de Yaoshorúl em
Gilgal disseram a Yaohúshua e à gente de Yaoshorúl, "Viemos duma terra distante pedir-vos que façam
connosco um tratado de paz." 7Os Yaoshorulítas responderam a esses heveus: "E como é que nós
sabemos que vocês não são gente daqui perto? Pois se assim fosse não faríamos convosco tratado
nenhum." 8"Seremos vossos escravos", replicaram."Mas quem são vocês, afinal? Donde é que vêm?",
perguntou-lhes Yaohúshua. 9-13"Somos duma terra muito longe; temos ouvido falar do poder de YÁOHU
UL vosso Criador Eterno e de tudo o que já fez no Egipto; assim como daquilo que vocês fizeram aos dois
reis amorreus, a Siom rei de Hebron e a Ogue rei de Basã, que reinava em Astarote. Por isso os nossos
anciãos e o nosso povo nos deram ordens assim, 'Preparem-se para uma longa viagem; vão ter com o povo
de Yaoshorúl e declarem-lhes, em nosso nome, que a nossa nação se submeterá a eles como escravos, e
façam paz com eles.' Este pão que aqui está vinha ainda quente do forno quando deixámos a terra, e agora,
como estão a ver, está todo seco e cheio de bolor; estes odres eram novinhos, e aqui estão eles já velhos e
meio rotos; a roupa e o calçado que trazemos gastou-se durante a longa viagem que tivemos de fazer." 1415Yaohúshua
e os outros líderes acabaram por acreditar neles, sem se terem incomodado a pedir conselho
a YÁOHU ULHÍM; foram pois para a frente com esse tratado de paz. Os líderes de Yaoshorúl ratificaram-no
com juramento. 16-18Três dias mais tarde os factos começaram a ser conhecidos e a verdade a vir ao de
cima -essa gente não era mais do que simples vizinhos. O exército de Yaoshorúl pôs-se logo em campo
para averiguar os factos e alcançou as cidades deles em três dias. Os nomes dessas povoações eram
Gibeão, Cefira, Beerote e Kiryat-Yearim. No entanto nenhuma dessas cidades foi atacada, devido ao tratado
que os líderes de Yaoshorúl tinham feito na presença de YÁOHU ULHÍM Criador Eterno. O povo de
Yaoshorúl ficou revoltado contra os seus chefes por causa do logro em que caíram, assinando esse tratado
de paz. 19-20Contudo os líderes responderam-lhes, "Jurámos perante YÁOHU ULHÍM o Criador Eterno de
Yaoshorúl que não lhes tocaríamos e assim faremos. Teremos de os deixar em vida, pois que se
quebrarmos o juramento que fizemos a ira de YÁOHU UL cairá sobre nós." 21E foi assim que eles se
tornaram servos dos Yaoshorulítas como rachadores de lenha e aguadeiros. 22-23Yaohúshua entretanto
tinha-os chamado, e falou-lhes desta forma: "Porque é que nos enganaram dizendo-nos que vinham duma
terra distante quando afinal viviam mesmo aqui ao lado de nós? Por isso agora permanecerá sobre vocês
uma maldição. Desde agora e para sempre vocês deverão ser nossos servos, servindo-nos como
rachadores de lenha e como aguadeiros para o serviço do nosso YÁOHU ULHÍM." 24-25Eles responderam:
"Fizemos isso porque nos disseram que YÁOHU ULHÍM dera instruções a Mehushúa, o seu servo, para que
conquistasse toda esta terra e destruisse o povo que aqui vive. Por isso tivemos medo que vocês nos
tirassem a vida. Essa a razão porque actuámos de tal forma. Estamos pois nas vossas mãos; façam
connosco o que bem entenderem." 26-27Yaohúshua não deixou que o povo os matasse; e tornaram-se,
efectivamente, rachadores de lenha e carregadores de água para o povo de Yaoshorúl e para o altar de
YÁOHU UL -onde quer que este fosse construído, porque YÁOHU ULHÍM não tinha ainda dito onde haveria
de ser erguido. Este acordo vigora ainda hoje ao tempo que este texto está a ser escrito.

Yaohúshua 10

Yaohúshua socorre Gibeão e o sol pára

1-2Quando Adoni-Zedeque, rei de Yaohúshua-oléym, soube como Yaohúshua tinha capturado e destruído
Ai, e morto o seu rei, aliás tal como actuara contra Yáricho, e também como o povo de Gibeão fizera a paz
com os Yaoshorulítas e cooperava agora com eles, ficou extremamente atemorizado. Porque Gibeão
tratava-se duma grande cidade -era como as cidades reais, muito maior do que Ai -e os seus habitantes
eram conhecidos como aguerridos combatentes. 3-5Por isso o rei Adoni-Zedeque, de Yaohúshua-oléym,
mandou embaixadores a alguns outros reis -a Hoão de Hebron, a Pirá de Yarmute, a Yafia de Laquis e
Debir de Eglom -com esta mensagem: "Venham ajudar-me a destruir Gibeão, visto que fizeram paz com
Yaohúshua e com o povo de Yaoshorúl." E assim aqueles cinco reis amorreus aliaram os seus exércitos
com vistas a um ataque conjunto a Gibeão. 6O povo de Gibeão mandou urgentemente mensageiros a
Yaohúshua, em Gilgal, com este rogo, "Vem depressa ajudar os teus servos! Todos os reis amorreus que
vivem nas colinas estão já aqui com os seus exércitos." 7O exército Yaoshorulíta, sob o comando de
Yaohúshua, deixou Gilgal para ir salvar os gibeonitas. 8"Não tenham medo deles", disse YÁOHU ULHÍM a
Yaohúshua. "Eles estão já praticamente derrotados. Sou eu quem vo-los dou para que os destruam.
Nenhum deles será capaz de vos resistir." 9-11Yaohúshua marchou toda a noite com os seus soldados
desde Gilgal, e caiu de surpresa sobre os exércitos inimigos. YÁOHU ULHÍM fez cair sobre estes um grande
pânico, de tal forma que os Yaoshorulítas puderam matar grande número deles ali mesmo em Gibeão, e
perseguiu outros por todo o caminho que vai para Beth-Horom e para Azeca e Maqueda, acabando também
por liquidar esses. Numa altura em que os adversários estavam a fugir pela ladeira de Beth-Horom, YÁOHU
ULHÍM começou a destruí-los com uma saraivada violentíssima que os foi seguindo até Azeca. Na realidade
até foram mais os que morreram dessa chuva de pedras do que pelas armas dos Yaoshorulítas.
12Aconteceu até que, quando Yaoshorúl estava a perseguir e a aniquilar os seus inimigos, Yaohúshua fez
este rogo em voz alta, "Que o sol se mantenha sobre Gibeão, e a lua sobre o vale de Ayalon!" 13-15E na
verdade tanto o sol como a lua pararam enquanto o exército Yaoshorulíta destruía os seus inimigos. Isto
aliás está escrito no Livro do Justo. E foi assim que o sol parou no firmamento por quase um dia inteiro.
Nunca houve um dia semelhante anteriormente, e nunca mais tornou a dar-se outro fenómeno igual a esse
em que YÁOHU ULHÍM fez parar o sol e a lua em resposta à oração de um homem. Porque era YÁOHU
ULHÍM quem lutava por Yaoshorúl. Depois disso Yaohúshua e os Yaoshorulítas regressaram a Gilgal.

A morte de cinco reis amorreus

16-18Durante a batalha os cinco reis conseguiram escapar-se e esconderam-se numa caverna em
Maqueda. Quando vieram trazer a Yaohúshua a notícia de que tinham sido encontrados, ele mandou que
uma grande pedra fosse posta contra a entrada da caverna e que fossem postos guardas para não os
deixar escapar dali. 19Yaohúshua deu ordens ao resto do exército para continuar a perseguir os adversários
e matá-los, "Não os deixem regressar às suas cidades. YÁOHU ULHÍM vos ajudará a destruí-los
completamente." 20-21E assim Yaohúshua e o exército Yaoshorulíta continuou matando e castigando
duramente os cinco exércitos inimigos, excepto um pequeno resto que conseguiu chegar às suas cidades
fortificadas. Então os Yaoshorulítas voltaram para o seu campo em Maqueda, sem ter perdido um só
homem. Depois disso, mais ninguém ousou atacar Yaoshorúl. 22-24Yaohúshua deu então ordens aos seus
homens para que fossem remover a pedra da boca da caverna e que trouxessem para fora os cinco reis
de Yaohúshua-oléym, de Hebron, de Yarmute, de Laquis e de Eglom. Mandou formar todo o exército e
disse aos generais para porem os pés nos pescoços daqueles reis. 25"Nunca tenham medo nem se
desencorajem", disse Yaohúshua aos seus homens. "Sejam fortes e corajosos, porque é desta forma que
YÁOHU ULHÍM desfará todos os vossos inimigos." 26Após isso Yaohúshua matou com a espada cada um
desses reis e pendurou-os em cinco árvores até ao anoitecer. 27Quando o sol se pôs, deu ordens para que
descessem os corpos e os pusessem na caverna onde se tinham escondido, tendo levantado uma grande
pilha de pedregulhos à entrada, a qual ainda lá está hoje em dia.

A conquista de cidades do sul

28-30Nesse mesmo dia Yaohúshua destruiu a cidade de Maqueda, matando o seu rei e toda a gente que lá
vivia. Nem uma só pessoa foi deixada com vida em toda a cidade. Depois os Yaoshorulítas foram atacar
Libna. Lá também YÁOHU ULHÍM lhes entregou a cidade e o rei. Não foi deixado ninguém com vida, tal
como aconteceu com Yáricho. 31-32Dali dirigiram-se a Laquis e atacaram-na. Ao segundo dia de ataque
YÁOHU ULHÍM deu-a aos Yaoshorulítas. E também aqui a população inteira foi morta, tal com acontecera
em Libna. 33Durante o ataque a Laquis, o rei Horão de Gezer apareceu com o seu exército para tentar
defender a cidade, mas os homens de Yaohúshua mataram-no e liquidaram os seus homens. 34-39As
tropas Yaoshorulítas capturaram Eglom logo no primeiro dia e tal como em Laquis abateram toda a
população. Não foi deixada uma só pessoa com vida. Após Eglom, foram para Hebron e conquistaram-na,
assim como as localidades dos arredores, matando toda a gente. Então voltaram para Debir que capturaram
muito rapidamente com todas as aldeias circunvizinhas, e mataram os habitantes, tal como acontecera em
Libna. 40-42Assim Yaohúshua e o seu exército conquistaram toda a região -as nações e os reis da zona
das colinas, do Négev, da área das campinas e das montanhas escarpadas. Liquidaram toda a gente da
terra segundo o mandado de YÁOHU ULHÍM o Criador Eterno de Yaoshorúl, desde Cades-Barneia até
Gaza, e desde a terra de Góshen até Gibeão. Isto foi tudo realizado numa só campanha porque YÁOHU
ULHÍM o Criador Eterno de Yaoshorúl estava a lutar pelo seu povo. 43Só depois disso é que as tropas de
Yaoshorúl sob a chefia de Yaohúshua regressaram ao seu acampamento em Gilgal.

Yaohúshua 11

A derrota dos reis do norte

1-3Quando o rei Yabim de Hazor teve conhecimento do que estava a acontecer, enviou mensagens
urgentes aos seguintes reis: a Yaobab rei de Madom, aos reis de Sinrom e Acsafe, a todos os reis das
colinas do norte, aos reis da região de Arabá ao sul de Quinerote, aos da planície, aos reis da zona das
montanhas de Dor a ocidente para os lados do mar, aos reis dos cananeus do oriente e do ocidente, aos
dos amorreus, dos hititas, dos perizeus, dos jebuseus nas montanhas, e dos heveus nas cidades ou nas
falésias do monte Hermon na terra de Mizpa. 4-5Todos eles responderam, mobilizando os exércitos e
aliando-se a fim de esmagar Yaoshorúl. Aquela enorme frente militar, reforçada por batalhões de cavalaria e
por carros de guerra, cobria toda a terra nas proximidades das fontes de Merom; era como um mar de gente
que se estendia tão longe quanto a vista podia alcançar. 6-9Mas YÁOHU ULHÍM disse a Yaohúshua: "Não
tenhas receio deles; amanhã por estas horas estarão todos mortos. Cortarás o tendão das pernas dos seus
cavalos e queimar-lhe-ás os carros." Yaohúshua e o seu exército apareceram subitamente nas fontes de
Merom e caíram sobre eles. YÁOHU ULHÍM entregou todo aquele vasto conjunto de exércitos aos
Yaoshorulítas, que os perseguiram mesmo até à grande Sidom e a um sítio chamado Poços Salgados, e
também para oriente até ao vale de Mizpa; de tal forma que nem um homem sequer escapou dessa batalha.
Yaohúshua e a sua gente fizeram como YÁOHU ULHÍM lhes mandara - partiram os tendões das pernas aos
cavalos e deitaram fogo aos carros de guerra. 10-11No caminho de regresso, Yaohúshua tomou a
localidade de Hazor e matou o seu rei. (Hazor tinha sido anteriormente a capital federal de todos aqueles
territórios referidos.) A gente ali em Hazor foi morta e a cidade posta a fogo. 12-15Depois atacou e destruiu
as outras cidades daquela zona mais os seus reis. Toda a gente foi morta pelas armas, aliás seguindo as
instruções dadas muito tempo antes por Mehushúa. Contudo Yaohúshua não quis queimar nenhuma das
cidades construídas sobre as colinas, com excepção de já referida Hazor. O despojo e o gado das cidades
devastadas foi tomado pelos Yaoshorulítas para si próprios, mas mataram toda a gente. Porque era isso
que YÁOHU ULHÍM tinha ordenado antes por intermédio de Mehushúa, seu servo; e Mehushúa transmitiu
essa ordem expressa a Yaohúshua, o qual cumpriu com o que lhe foi mandado, obedecendo
escrupulosamente a todas as instruções dadas pelo YÁOHU ULHÍM a Mehushúa. 16-19Foi pois assim que
Yaohúshua conquistou aquela terra inteira -a zona das colinas, o Négev, a terra de Góshen, toda a região
das planícies, o Arabá, e as terras altas e as planuras de Yaoshorúl. O território de Yaoshorúl agora
estendia-se desde o monte Halaque perto de Seir, até Baal-Gaóld no vale do Lebanon, próximo do monte
Hermon. E Yaohúshua fez desaparecer todos os reis dessas regiões. Foram sete anos de guerra para
conseguir isso tudo. Com nenhuma cidade estabeleceu qualquer tratado de paz, com excepção do caso já
referido dos heveus de Gibeão; tudo o resto foi destruído. 20Era mesmo YÁOHU ULHÍM quem incitava
aqueles reis inimigos a pretenderem lutar contra os Yaoshorulítas em vez de pediram a paz; e acabavam
por ser aniquilados. Assim se cumpria as ordens de YÁOHU UL a Mehushúa. 21-22Foi também durante
esse período que Yaohúshua derrotou os gigantes todos -os descendentes de Anaque que viviam na zona
das colinas, em Hebron, Debir, Anabe, e nas montanhas, que hoje são de YAOHÚ-dah e de Yaoshorúl;
matou-os e destruiu as cidades onde moravam. Não foi deixado nenhum dos anaquins na terra de
Yaoshorúl, ainda que alguns tenham ficado em Gaza, em Gate e em Ashdod. 23Yaohúshua tomou pois
toda a terra, tal como YÁOHU ULHÍM dissera a Mehushúa para fazer; e deu-a ao povo de Yaoshorúl para
que a possuísse e a dividisse por entre as tribos. Até que por fim a terra ficou em descanso e não houve
mais guerra.

Yaohúshua 12

A lista dos reis derrotados

1Esta é a lista dos reis da margem oriental do rio Yardayán, cujas cidades foram destruídas pelos
Yaoshorulítas; tratava-se de uma área que ia desde o vale do rio Arnom até ao monte Hermon, incluindo as
cidades do deserto oriental: 2-3Um era o rei Siom dos amorreus, que vivia em Hesbom. O seu reino cobria o
território que tinha por limite dum lado Aroer, mesmo no limite do vale Arnom, e a meio da depressão
cavada pelo rio Arnom, e por outro lado o rio Yaboque que servia de fronteira com os amonitas. Portanto
inclui metade daquilo que agora é a terra de Gaúliod, que tem como limite a norte o rio Yaboque. Siom
controlava também o vale do Yardayán até às praias ocidentais do lago da Galileia; e para o sul até ao Mar
Salgado e ao sopé do monte de Pisgáh. 4-6Outro era o rei Ogue de Basã, o último dos refaim, que vivia em
Astarote e Edrei. Era ele quem governava aquele território que se estendia do monte Hermon a norte, até
Salca no monte Basã a oriente; e a ocidente ia até aos limites dos reinos de Gesur e Maacate. O seu reino
cobria também uma área ao sul que incluia a metade norte de Gaúliod, onde a fronteira tocava os limites do
reino de Siom rei de Hesbom. Mehushúa e o povo de Yaoshorúl tinham destruído esses povos, e a terra foi
dada à tribo de Ro-ibén e à meia-tribo de Menashé. 7-24E foram ainda mais os seguintes reis que
Yaohúshua, comandando o exército de Yaoshorúl, destruiu a ocidente do Yardayán. (Essa terra, que fica
entre Baal-Gaóld no vale do Lebanon e o monte Halaque, a ocidente do monte Seir, foi dada por Yaohúshua
às outras tribos de Yaoshorúl. Essa área incluia a zona das colinas, as planuras, o Arabá, as vertentes na
montanha, o deserto da YAOHÚ-dah e o Négev. O povo que lá vivia eram os hititas, os amorreus, os
cananeus, os perizeus, os heveus e os jebuseus.) Eram então os seguintes reis : os reis de Yáricho, Ai
perto de Bohay-Úl, Yaohúshua-oléym, Hebron, Yarmute, Laquis, Eglom, Gezer, Debir, Geder, Horma,
Arade, Libna, Adulão, Maqueda, Bohay-Úl, Tapua, Hefer, Afeque, Lasarom, Madom, Hazor, Sinrom-Merom,
Acsafe, Taanaque, Megido, Quedes, Yocneão no Carmiúl, Dor em Nafate-Dor, Goiim em Gilgal, e Tirza.
Portanto, ao todo, trinta e um reis que foram aniquilados e as suas cidades destruídas.

Yaohúshua 13

A terra por conquistar

1Yaohúshua era agora um homem já idoso. YÁOHU ULHÍM disse-lhe: "Estás já numa idade avançada e
ainda há muita terra para ser ocupada. 2-7São as seguintes as áreas que vocês ainda não ocuparam:
toda a terra dos Palestinos; a terra de Gesur; o território que agora pertence aos cananeus, desde o
ribeiro do Egipto até à fronteira sul do Ekron; cinco cidades dos Palestinos: Gaza, Ashdod, Áshkelon, Gate,
Ekron; a terra de Avim ao sul; a norte era toda a terra dos cananeus, incluindo Meara que pertence aos
sidónios, estendendo-se para norte até Afeque na fronteira com os amorreus; a terra dos gebalitas na costa;
toda a área da cordilheira do Lebanon desde Baal-Gaóld, entre o monte Hermon ao sul, e a entrada de
Hamate a norte; e ainda toda a região das colinas desde o Lebanon até Misrefote-Maim, incluindo toda a
terra dos sidónios.Eu lançarei fora estes povos diante da nação de Yaoshorúl; por isso incluirás toda a terra que te indiquei no território a repartir entre as nove tribos e a outra meia-tribo de Menashé, tal como te mandei."

A divisão da terra ao oriente do Yardayán

8-13Como já se sabe, as tribos de Ro-ibén, de Gaóld e a meia-tribo de Menashé tinham já recebido a sua
parte a oriente do Yardayán; Mehushúa tinha-lhes distribuído previamente essa parte.
O território deles ia desde Aroer à entrada do vale do ribeiro de Arnom, incluindo a cidade no vale,
passando pelo planalto de Medeba até Dibom; incluía também todas as cidades do rei Siom dos amorreus,
que reinava em Hesbom, que se estendia até aos limites dos amonitas. Incluía ainda Gaúliod, o território
dos gesuritas e dos maacatitas, todo o monte Hermon, o monte Basã com a sua cidade de Salca; e todo o
território do rei Ogue de Basã, que tinha reinado em Astarote e Edrei. Como já se disse, foi ele o último dos
gigantes, dos refaim, pois que Mehushúa os tinha atacado e expulso. Contudo o povo de Yaoshorúl não
tinha lançado fora os gesuritas nem os maacatitas, que aliás ainda vivem hoje entre os Yaoshorulítas.
14Tribo de Leví: Mehushúa não distribuiu nenhuma terra à tribo de Leví porque a eles foi-lhes já dado o
partilharem das ofertas trazidas a YÁOHU ULHÍM. 15-20
A terra dada à tribo de Ro-ibén: De acordo com a sua própria população, Mehushúa atribuiu à tribo de Roibén
uma área que se estendia desde Aroer à entrada do vale da ribeira de Arnom, portanto para lá da
cidade de Arnom que está no meio do vale, e abrangendo todo o planalto até Medeba. Esse território incluia
Hesbom e as outras cidades da planície -Dibom, Bamote-Baal, Beth-Baal-Meon, Yaza, Quedemote,
Mefaate, Quiriataim, Sibma, Zerete-Saar, esta última, na montanha sobre o vale, e ainda Beth-Peor, Beth-
Yesimote, e as vertentes do monte Pisgáh. 21-23A terra de Ro-ibén incluía também as cidades do planalto e

o reino de Siom. Siom foi o rei que vivia em Hesbom e que Mehushúa matou, juntamente com os outros
chefes de Midiã -Evi, Requem, Hur, Zur e Reba. O povo de Yaoshorúl matou também Balaam, o mágico,
filho de Beor. O rio Yardayán formou o limite ocidental da tribo de Ro-ibén. 24-28
A terra dada à tribo de Gaóld: O território que Mehushúa atribuiu à tribo de Gaóld foi igualmente na
proporção da sua população. Este território incluía Yazer, mais as cidades todas de Gaúliod, e metade da
terra de Amon, até Aroer, perto de Rabá. Estendia-se igualmente desde Hesbom até Roéma-Mizpá e até
Betonim; e ainda de Manaaim até Debir. No vale ficavam Beth-Arã, Beth-Ninra, Sukkós, Zafom, e ainda o
que restara do reino de Siom, de Hesbom. O rio Yardayán formava o seu limite ocidental, estendendo-se até
ao lago da Galileia; aí, o limite inflectia para oriente, deixando o rio Yardayán. 29-30

A terra dada à meia-tribo de Menashé: Mehushúa deu o seguinte território à meia-tribo de Menashé, de
acordo com as suas necessidades: uma área que se estendia para norte desde Maanaim e que incluía toda
a Basã, o antigo reino de Ogue, e as sessenta povoações de Yao-éyr em Basã. 31Metade de Gaúliod e as
cidades reais do rei Ogue, Astarote e Edrei, foram dadas a metade o clã de Maquir, filho de Menashé. 32Foi
assim que Mehushúa dividiu a terra que ficava na margem oriental do Yardayán, quando Yaoshorúl ali
esteve acampado em frente a Yáricho. 33Mas a Leví, Mehushúa não deu terra nenhuma porque, tal como
lhes tinha explicado, YÁOHU ULHÍM era a sua herança e representava para eles tudo de que eles
necessitavam. YÁOHU ULHÍM tomaria conta deles em todas as circunstâncias.

Yaohúshua 14

A divisão da terra ao ocidente do Yardayán

1-2Quanto às terras conquistadas em Canaã foram doadas às restantes nove tribos e meia de Yaoshorúl. A
decisão sobre que área haveria de caber a cada tribo foi tomada tirando à sorte na presença de YÁOHU UL,
e cada uma ficou com a sua parte de acordo com a vontade de YÁOHU UL. Úlozor o intermediário,
Yaohúshua e os líderes de cada tribo supervisaram a distribuição. 3-4(Como já foi dito, Mehushúa dera
anteriormente às outras duas tribos e meia território na margem leste do Yardayán. Aquela que deveria ter
sido a tribo de YÁOHU-saf tornou-se em duas tribos separadas -Menashé e Efroím -e aos Levítas não foi
dada terra nenhuma excepto as cidades em que haveriam de viver mais os subúrbios com pastagens para o
gado deles. 5Esta distribuição foi feita de acordo com as directivas dadas pelo YÁOHU ULHÍM a
Mehushúa.)

Hebron é dado a Caleb


6-11Uma delegação da tribo de YAOHÚ-dah, chefiada por Caleb, veio ter com Yaohúshua a Gilgal.
"Lembras-te do que YÁOHU ULHÍM disse a Mehushúa acerca de ti e de mim, quando estávamos em
Cades-Barneia?", perguntou Caleb a Yaohúshua. "Tinha eu nessa altura quarenta anos, e Mehushúa
mandara-nos espiar a terra de Canaã. No regresso fiz o meu relato de acordo com aquilo que senti ser a
verdade, mas os nossos irmãos que tinham ido connosco aterrorizaram o povo e desencorajaram-no a
entrar na terra prometida. No entanto, visto que eu tinha seguide YÁOHU ULHÍM meu Criador Eterno,
Mehushúa disse-me: 'Aquela área de Canaã por onde andaste pertencer-te-á a ti e aos teus descendentes
para sempre.' Agora, como vês, YÁOHU ULHÍM continuou a manter-me com vida e com saúde durante
todos estes quarenta e cinco anos desde que atravessámos o deserto, e hoje estou com oitenta e cinco.
Tenho agora tantas forças como tinha então quando Mehushúa nos mandou para aquela missão, e posso
ainda ir seja para onde for e combater tão bem como nessa altura! 12Por isso peço agora que me dês a
zona das colinas que YÁOHU ULHÍM me prometeu. Certamente te recordas que, quando lá fomos como
espias, encontrámos os anaquim a viver ali em grandes cidades cercadas de altas muralhas; mas se
YÁOHU ULHÍM for comigo com certeza que os expulsarei da terra." 13-15Então Yaohúshua o abençoou e
lhe deu Hebron como herança permanente porque ele não se tinha desviado de YÁOHU ULHÍM o Criador
Eterno de Yaoshorúl. (Antes desse tempo Hebron tinha-se chamado Kiryat-Arba, de acordo com o nome
dum grande herói anaquim.)E não houve resistência da parte das populações locais quando os
Yaoshorulítas ocuparam a terra.

Yaohúshua 15

O território dado a YAOHÚ-dah

1A terra dada à tribo de YAOHÚ-dah, segundo o sorteio sagrado:

2O limite sul de YAOHÚ-dah começava na fronteira norte de Edom, atravessava o deserto de Zim e
acabava no limite norte do Négev. Mais detalhadamente, este limite começava na baía sul do Mar Salgado,
3ia ao longo da estrada que rodeia pelo sul o monte Acrabim, atravessava o deserto de Zim até Hezron, ao
sul de Cades-Barneia, e depois subia passando por Carca e 4por Azmom, até alcançar finalmente o ribeiro
do Egipto, terminando no Mar Mediterrâneo. 5-11

O limite oriental estendia-se ao longo do Mar Salgado até à foz do rio Yardayán. O limite norte começava
na baía em que o rio Yardayán desagua no Mar Salgado, ia até Beth-Hogla, passava pelo norte de Beth-
Arabá até ao rochedo do Boã, filho de Ro-ibén. Dali atravessava o vale de Acor até Debir onde inflectia para
noroeste, passando por Gilgal, em frente das vertentes de Adumim no lado sul do vale. O limite estendia-se
até às fontes de En-Semes, e até En-Rogel. Passava depois essa linha de demarcação através do vale de
Hinom, pela banda do sul dos jebuseus (que é onde se localiza Yaohúshua-oléym), e voltava para oeste até
ao cimo da montanha que domina o vale de Hinom, continuando até ao extremo norte do vale de Refaim.
Dali a linha estende-se do cimo da montanha até à fonte de Neftoa, e depois até às cidades do monte
Efrom, antes de voltar para norte e de rodear Baalá (que é outro nome dado a Kiryat-Yearim). Depois de dar
a volta a Baalá pelo oeste até ao monte Seir, passa pela cidade de Quesalom na banda do norte do monte
Yearim, e desce até Beth-Shemesh. Inclinando-se novamente para norte, a linha de limite passa pelo sul de
Timna até à banda da colina norte de Ekron, altura em que declinava para a esquerda, passando ao sul de
Siquerom e do monte Baalá. Voltando de novo na direcção do norte, passava por Yabneel e acabava no
Mar Mediterrâneo.

12O limite ocidental era formado pela linha da costa do Mediterrâneo. 13-15 YÁOHU ULHÍM deu
instruções a Yaohúshua no sentido de conceder a Caleb filho de Yefoné parte do território de YAOHÚ-dah.
E assim foi-lhe doada a cidade de Arba, também chamada de Hebron, do nome do pai de Anaque. Caleb
expulsou de lá os descendentes dos três filhos de Anaque: Sesai, Aimã e Talmai. Depois lutou contra o
povo da cidade de Debir, antes chamada Kiryat-Sefer. 16-19Caleb disse nessa altura que daria a sua filha
Acsa por mulher a quem se dispusesse voluntariamente a conquistar Kiryat-Sefer. E foi Othniul filho de
Quenaz, sobrinho do próprio Caleb, quem tomou a cidade, casando assim com Acsa. Quando esta se
juntou com Othniul, para ser a sua mulher, ele persuadiu-a a que pedisse ao pai, a Caleb, mais um campo.
Aconteceu em dada altura que, indo ela própria num jumento, encontrou-se com o seu pai, e logo desceu do
animal para lhe falar sobre o assunto."O que é que se passa?", perguntou-lhe o pai. "Que pretendes?""Dáme
outra doação! Porque a terra que já me deste é um deserto. Dá-me também fontes para ter água!" E
então deu-lhe as fontes superiores e as das terras mais baixas. 20Foi pois esta a terra concedida à tribo de
YAOHÚ-dah:
21-32 Estas as cidades que estavam situadas ao longo da fronteira com Edom, no Négev: Cabzeel, Eder,
Yagur, Quiná, Dimona, Adada, Quedes, Hezor, Itnã, Zife, Telem, Bealote, Hazor-Adata, Queriote-Hezron (ou
seja Hacor), Amã, Sema, Molada, Hazar-Gaólda, Hesmom, Beth-Palete, Hazar-Sual, Beer-Shéva, Biziotiá,
Baalá, Iim, Osem, Ultolad, Quesil, Yorma, Ziklag, Madmana, Sansan, Lebaote, Silim, Aim, Rimom. Ao todo
eram vinte e nove cidades mais as aldeias ao redor. 33-36
As seguintes cidades situadas nas planícies foram igualmente dadas a YAOHÚ-dah: Estaol, Zora, Asna,
Zanoa, En-Ganim, Tapua, Enam, Yarmute, Adulão, Socó, Azeca, Saaraim, Aditaim, Gedera e Gederotaim.
Ao todo eram catorze cidades mais as aldeias ao redor. 37-44 A tribo de YAOHÚ-dah herdou ainda mais as seguintes vinte e cinco cidades, mais as aldeias dos arredores: Zenã, Hadasa, Migdal-Gaóld, Dileã, Mizpe, Yocteel, Laquis, Bozcate, Eglom, Cabom, Laamás, Qutilis, Gederote, Beth-Dagom, Naamá, Maqueda, Libna, Eter, Osa, Iftá, Asná, Nezibe, Quila, Aczibe, Maressá.
45-47 O território da tribo de YAOHÚ-dah incluía todas as cidades e povoações de Ekron. De Ekron, a linha de demarcação estendia-se até ao Mediterrâneo, e incluía as cidades ao longo dos limites de Ashdod com as
suas aldeias circunvizinhas; e ainda a própria cidade de Ashdod com as suas aldeias, mais a de Gaza,
igualmente com as aldeias dos arredores, até ao ribeiro do Egipto; e mais ainda toda a costa do
Mediterrâneo, desde a foz do ribeiro do Egipto no sul, até Tiro ao norte. 48-62

YAOHÚ-dah recebeu também as seguintes quarenta e quatro cidades na área das colinas, com as suas
aldeias dos arrabaldes: Samir, Yatir e Socó, Daná, Kiryat-Saná (ou seja Debir), Anabe, Estemó, Anim,
Góshen, Holom, Gilo, Arabe, Dumá, Esã, Yanim, Beth-Tapua, Afeque, Hunta, Kiryat-Arba (ou seja Hebron),
Zior, Maom, Carmiúl, Zife, Jutá, Yaozoro-Úl, Yocdeão, Zanoa, Cain, Gibeá, Timna, Halul, Beth-Zur, Gedor,
Maarate, Beth-Anote, Eltecom, Kiryat-Baal (também conhecida como Kiryat-Yearim), Rabá, Beth-Arabá,
Midim, Secaca, Nibsã, a Cidade do Sal e Engedi. 63Mas a tribo de YAOHÚ-dah não foi capaz de expelir os
jebuseus, que habitavam em Yaohúshua-oléym; por isso essa gente vive ainda actualmente no meio do
povo de YAOHÚ-dah.

Yaohúshua 16

O território de Efroím e Menashé


1-4Limite sul comum às tribos dos filhos de YÁOHU-saf:

Este limite estendia-se desde o rio Yardayán em Yáricho, passando pelo deserto e pela zona das colinas
até Bohay-Úl. Depois continuava por Luz, indo até Atarote, no território dos arquitas. Inflectia depois para
ocidente para o território dos jafletitas, até Beth-Horom de Baixo, e depois até Gezer, e assim nesse sentido
até ao Mar Mediterrâneo.

5-9A terra dada à tribo de Efroím: O seu limite a leste começava em Atarote-Adar. Dali alongava-se até
Beth-Horom de Cima e ia até ao Mar Mediterrâneo. O limite norte começava no mar e seguia em direcção
do oriente passando junto a Micmetá e continuando por Taanate-Sheló e Yanoa. De Yanoa descia para sul,
para Atarote e Naarate, tocava Yáricho e acabava no rio Yardayán. A metade ocidental do limite norte ia
desde Tapua, e depois ao longo do ribeiro de Caná até ao Mediterrâneo. Também foram dadas a Efroím
algumas das cidades que estavam no território da meia-tribo de Menashé. 10Os cananeus que viviam em
Gezer nunca foram expulsos de lá, por isso vivem ainda como escravos no meio do povo de Efroím.

Yaohúshua 17

1A terra dada à Meia-tribo de Menashé - filho mais velho de YÁOHU-saf: O clã de Maquir (o filho mais velho
de Menashé, e pai de Gaúliod) já tinha recebido a terra de Gaúliod e de Basã, na margem oriental do
Yardayán, porque eram grandes guerreiros. 2Por isso agora a terra atribuída à tribo, a ocidente do
Yardayán, foi dada às clãs de Abiozor, de Heleque, de Asriel, de Siquem de Semida e de Hefer. 3-4Contudo
Zelofeade (filho de Hefer, neto de Gaúliod, bisneto de Maquir e trineto de Menashé) não teve filhos rapazes;
teve cinco filhas que se chamavam: Macla, Noa, Hogla, Milca e Tirza. Estas chegaram-se junto do
intermediário Úlozor e de Yaohúshua, assim como dos outros líderes de Yaoshorúl, e lembraram-lhes o
seguinte: " YÁOHU ULHÍM disse a Mehushúa que deveríamos receber a mesma quantidade de terra que os
homens da nossa tribo. 5-6E assim, de acordo com a ordem que YÁOHU ULHÍM dera por intermédio de
Mehushúa, foi outorgado a estas mulheres territórios conjuntamente com os seus cinco tios-avós. E deste
modo a área total concedida a esta tribo consistiu em dez secções de terra (além da terra de Gaúliod e de
Basã, do outro lado do Yardayán). 7-10

O limite a norte da tribo de Menashé estendia-se para o sul desde a beira do Oshór até Micmetá, que se
encontra a leste de Siquem. A sul, a linha limite corria de Micmetá até às fontes de Tapua. (A terra de Tapua
pertencia a Menashé, mas a cidade de Tapua, no extremo da terra de Menashé, pertencia à tribo de
Efroím). Das fontes de Tapua, o limite de Menashé seguia a margem norte do ribeiro de Caná até ao
Mediterrâneo. (Várias cidades a sul do ribeiro pertenciam à tribo de Efroím, ainda que estivessem
localizadas no território de Menashé.) A terra a sul do ribeiro e para ocidente até ao Mar Mediterrâneo foi
atribuída a Efroím, e a norte do ribeiro assim como a leste do mar foi para Menashé. A norte da linha de
demarcação de Menashé estava o território de Oshór; e a leste encontrava-se o de Ishochar. 11-13

À meia-tribo de Menashé foram igualmente dadas as seguintes cidades que estavam situadas nas áreas
atribuídas a Ishochar e a Oshór: Beth-Sheán, Ibleão, Dor, En-Dor, Taanaque e Megido (onde estão os três
rochedos), cada uma delas incluindo os lugares da sua jurisdição. Mas os descendentes de Menashé não
puderam expelir o povo que vivia antes naquelas cidades; e foi assim que os cananeus permaneceram na
terra. Mais tarde, contudo, quando os Yaoshorulítas se tornaram suficientemente fortes, forçaram-nos a
trabalharem como escravos. 14Então as duas tribos de YÁOHU-saf vieram ter com Yaohúshua e
perguntaram-lhe: "Porque nos deste apenas uma área na distribuição das terras pelas tribos, sendo que
YÁOHU ULHÍM nos tornou numa população tão numerosa?" 15"Se a terra das colinas de Efroím não é
bastante espaçosa para vocês", respondeu Yaohúshua, "desbastem, se forem capazes, as florestas da terra
onde habitam os perizeus e os refaim." 16-18"Estamos de acordo; até porque os cananeus das planuras à
volta de Beth-Sheán e no vale de Yaozoro-Úl têm carros de combate em ferro, e são demasiado fortes para
nós.""Então", continuou Yaohúshua, "terão as florestas das montanhas. E visto que são numerosos e
robustos serão certamente capazes de derrubar todas essas florestas e de lá viver. Tenho a certeza de que
poderão também expulsar os cananeus dos vales, mesmo sendo eles valentes combatentes e tendo carros
em ferro."

Yaohúshua 18

A divisão do resto do território

1-2Depois da conquista -apesar de sete das tribos de Yaoshorúl ainda não terem tomado posse e
conquistado totalmente a terra que YÁOHU ULHÍM lhes deu - todo o povo se juntou em Sheló para montar o
tabernáculo. 3-6Yaohúshua perguntou-lhes: "Quanto tempo vão ainda esperar para expelirem as gentes
que vivem na terra que YÁOHU ULHÍM vosso Criador Eterno vos deu? Seleccionem três homens de cada
tribo e eu enviá-los-ei para explorarem o território ainda não conquistado e depois vos fazerem um relatório
quanto à sua extensão e às suas divisões naturais, para que possa reparti-la por vocês. Esses exploradores
dividi-la-ão em sete partes, e em seguida eu lançarei o dado sagrado para decidir quais as partes que
caberão a cada tribo. 7Contudo lembrem-se de que os Levítas não deverão receber terra alguma; eles são
intermediários de YÁOHU UL. Essa é a parte maravilhosa que lhes é atribuída. Além disso, também as
tribos de Gaóld, de Ro-ibén e a meia-tribo de Menashé não poderão receber mais terra nenhuma, visto que
tiveram o seu quinhão na margem leste do Yardayán, onde Mehushúa lhes prometeu que poderiam
estabelecer-se." 8-9E assim foi que os batedores se foram para estabelecerem uma carta de toda a terra e
trazerem depois um relatório disso a Yaohúshua. Só após isso YÁOHU ULHÍM concediria as diversas
secções da terra às tribos, lançando o dado sagrado. Os homens fizeram como lhes tinha sido dito e
dividiram todo o território em sete secções, estabelecendo uma lista das cidades que havia em cada secção.
Depois vieram ter com Yaohúshua ao campo de Sheló. 10Ali no tabernáculo em Sil YÁOHU ULHÍM mostrou
a Yaohúshua, tirando à sorte na presença de YÁOHU ULHÍM, a que tribo calhava cada secção: 11A terra
dada à tribo de Benyamín: A secção de território cedida às famílias da tribo de Benyamín ficou entre a terra
atribuída às tribos de YAOHÚ-dah e de YÁOHU-saf.
12A linha de demarcação a norte começava no rio Yardayán, ia até ao norte de Yáricho, depois inflectia
para ocidente através da zona das colinas e do deserto de Beth-Aven. 13-14Dali a linha descia para sul até
Luz (também chamada Bohay-Úl), e prosseguia até Atarote-Adar, na terra de colinas a sul de Beth-Horon de
Baixo. Ali a demarcação voltava de novo para o sul, passando a montanha perto de Beth-Horon e terminava
na localidade de Kiryat-Baal (também chamada por vezes Kiryat-Yearim), uma das cidades da tribo de
YAOHÚ-dah. Era esta a linha de separação do ocidente. 15-19 A linha que balizava a sul corria desde o limite de Quirate-Baal, passava sobre o monte Efrom até às fontes de Neftoa, descendo até à base da montanha que ladeia o vale de Hinom, e que está a norte do vale de Refaim. Dali continuava através do vale de Hinom, atravessava os campos a sul da velha cidade de Yaohúshua-oléym, onde viviam os jebuseus, e continuava para baixo, para En-Rogel. De En-Rogel a linha divisória voltava para nordeste até En-Semes continuando até Gelilote (que está defronte da falésia de Adummim). Depois descia até à rocha de Boã (que era filho de Ro-ibén), correndo depois ao longo do limite norte de Arabá; ao descer para o sul passava por Beth-Hogla e terminava na baía do norte do Mar Salgado,que é onde desemboca o rio Yardayán. 20A baliza oriental era constituída pelo próprio rio Yardayán. Esta foi a terra conferida à tribo de Benyamín. 21-28
As seguintes cidades estavam incluídas no território de que tomou posse: Yáricho, Beth-Hogla, Emek-
Queziz, Beth-Arabá, Zemaraim, Bohay-Úl, Avim, Pará, Ofra, Quefar-Amonai, Ofni, Gaba, Gibeão, Roemáh,
Beerote, Mizpe, Cefira, Moza, Requem, Irpoal, Tarala, Zela, Elefe, Yebus (ou seja Yaohúshua-oléym), Gibeá
e Kiryat.

Todas estas cidades mais as localidades dos arredores foram dadas à tribo de Benyamín.

Yaohúshua 19

1A terra dada à tribo de Shamiúl:

A tribo de Shamiúl recebeu o seguinte lote de terra, incluindo parte que fora previamente dada a YAOHÚdah.
2-7A porção doada incluía as seguintes cidades com as localidades da sua jurisdição: Beer-Shéva,
Seba, Molada, Hazar-Sual, Balá, Osem, Ultolad, Betul, Horma, Ziklag, Beth-Marcabote, Hazar-Susa, Beth-
Lebaote, Saruem, En-Rimom, Eter, e Osa. 8-9As cidades mais para o sul, como por exemplo Baalate-Beer
(também conhecida por Roemáh no Négev) foram igualmente dadas à tribo de Shamiúl. Portanto a herança
que a tribo de Shamiúl recebeu veio-lhe parcialmente daquilo que tinha anteriormente sido dado a YAOHÚdah,visto que o lote de YAOHÚ-dah foi considerado demasiado grande para esta tribo. 10-13A terra dada à tribo de Zabulón:

A terceira tribo a receber a sua concessão foi Zabulón. O seu limite começava a sul de Saride. Dali rodava
para oeste, indo passar perto de Marala e de Dabesete até que atingia o ribeiro a leste de Yocneão. Na
outra direcção a linha de demarcação ia para leste até à beira de Quislote-Tabor, e dali para Daberate e
Yafia; depois continuava a nascente de Gate-Hefer, de Ete-Cazim e de Rimom, voltando para Neá. 14-16O
limite norte de Zabulón era por Hanatom e terminava no vale de Ifta-El. As cidades destas áreas, além das
já mencionadas, eram Catate, Naalal, Sinrom, Idala e Beth-Lékhem, com os seus respectivos arredores. No
total eram doze as localidades todas. 17-23A terra dada à tribo de Ishochar:
A quarta tribo a herdar terra foi Ishochar. O seu território incluía as seguintes cidades: Yaozoro-Úl,
Quesulote, Sunem, Hafaraim, Siom, Anacarate, Rabite, Quisiom, Ebes, Remete, En-Ganim, En-Hada, Beth-
Pazez, Tabor, Saazima e Beth-Shemesh -dezasseis cidades ao todo, cada uma com as localidades do
seus arrabaldes. A linha limite de Ishochar terminava no rio Yardayán. 24-31A terra dada à tribo de Oshór:
A quinta tribo a receber terra foi Oshór. Os seus limites incluíam estas cidades: Helcate, Hali, Beten,
Acsafe, Alameleque, Amade e Misal. A linha balizadora a ocidente ia do Carmiúl até Sior-Libnate, inflectia
para leste para Beth-Dagom e chegava a Zabulón, ao vale de Ifta-El, correndo a norte de Beth-Emeque e de
Neiel. Depois passava a leste de Cabul, de Ebrom, de Reobe, de Yamom, de Caná, até à grande Siom.
Então, a linha divisória dirige-se na direcção de Roemáh e da cidade fortificada de Tiro e chega ao Mar
Mediterrâneo em Hosa. O território incluía também Maalabe, Aczibe, Umá, Afeque e Reobe -um total de
vinte e duas cidades mais as aldeias ao redor. 32-39A terra dada à tribo de Neftali:
A sexta tribo a receber a sua herança foi a tribo de Neftali. A sua demarcação começava em YAOHÚ-dah
no carvalho de Zaananim e estendia-se através de Adami-Nequebe, de Yabneel e de Lacum, acabando no
rio Yardayán. O limite ocidental começava perto de Helefe e corria junto de Azonte-Tabor, e depois junto de
Hucoque, juntava-se, coincidindo, com a demarcação de Zabulón, ao sul com a de Oshór a poente e com o
rio Yardayán a nascente. As cidades fortificadas que se incluíam neste território eram: Sidim, Zer, Hamate,
Racate, Quinerete, Adama, Roemáh, Hazor, Quedes, Edrei, En-Hazor, Irom, Migdal-El, Horem, Beth-Anate
e Beth-Shemesh. Ao todo, eram dezanove cidades mais as aldeias ao redor. 40-46A terra dada à tribo de
Dayán:
A última a receber terra foi Dayán. As cidades que se incluíam na sua área eram: Zorá, Estaol, Ir-Semes,
Saalabim, Ayalon, Itla, Elom, Timna, Ekron, Elteque, Gibetom, Baalate, Yeude, Bene-Beraque, Gate-Rimom,
Me-Yarcom, Racom, e também o território junto de Yaffó. 47-48Mas parte deste território mostrou-se
impossível de ser conquistado; por isso a tribo de Dayán capturou a cidade de Lesem, matou a população e
passou a viver ali, dando à cidade o nome de Dayán, o nome do pai da tribo.

O território de Yaohúshua

49-50Foi desta forma que a terra foi repartida por todas as tribos, segundo as demarcações aqui indicadas.
Além disso, a nação de Yaoshorúl decidiu atribuir um pedaço especial do território a Yaohúshua, pois que
YÁOHU ULHÍM dissera que ele poderia ficar com qualquer cidade que pretendesse. E com efeito ele
escolheu Timnate-Sera na região das colinas de Efroím, a qual reconstruiu, passando a viver lá. 51Úlozor o
intermediário, Yaohúshua e os chefes das tribos de Yaoshorúl controlaram o acto em que foram tiradas à
sorte, na presença de YÁOHU UL, as diversas porções em que a terra foi dividida. Isto realizou-se à entrada
do tabernáculo em Sheló.

Yaohúshua 20

As cidades de refúgio

1Disse YÁOHU ULHÍM a Yaohúshua: 2-3"Diz ao povo de Yaoshorúl que designe agora as cidades de
refúgio, de acordo com as instruções que dei a Mehushúa. Se uma pessoa for culpada da morte de alguém,
mas sem que o tenha feito com intenção, poderá fugir para uma dessas cidades e ficará protegido de
qualquer acção movida contra ele por parte dos parentes do morto, os quais poderiam mesmo tentar matálo
por vingança. 4-6Portanto quando o homicida involuntário alcançar uma dessas cidades, deverá ir ter com
os conselheiros da cidade e explicar o que aconteceu; eles deixá-lo-ão ficar na cidade e passar a viver ali.
No caso de se apresentar um parente do morto pretendendo vingar a sua morte, tirando a vida ao homicida
involuntário, este não poderá ser-lhe entregue, visto que aquela morte foi acidental. Portanto o causador da
morte por acidente não deverá sair dessa cidade até que tenha sido julgado pelos juízes, e deverá lá viver
até à morte do sumo intermediário em funções à data do acidente. Só então estará livre de regressar à sua
própria cidade e ao seu lar." 7As localidades escolhidas como cidades de refúgio foram: Quedes da Galileia
nas colinas de Neftali; Siquem nas colinas de Efroím; Kiryat-Arba (também conhecida por Hebron) nas
colinas de YAOHÚ-dah. 8 YÁOHU ULHÍM também deu instruções para que outras três cidades fossem
designadas com o mesmo propósito, na margem de lá do Yardayán, a oriente de Yáricho. Foram elas:
Bezer no deserto do território da tribo de Ro-ibén; Ramote de Gaúliod no território da tribo de Gaóld; Golã
de Basã na terra da tribo de Menashé. 9Estas cidades de refúgio eram também para os estrangeiros que
viviam em Yaoshorúl tanto como para os próprios Yaoshorulítas; a fim de que, fosse quem fosse que por
mero acidente matasse outra pessoa pudesse fugir para lá e ficasse à espera de julgamento, escapando à
acção de quem por vingança quisesse tirar-lhe a vida.

Yaohúshua 21

As cidades dos Levítas

1Então as cabeças de tribo de Leví vieram até Sheló consultar o intermediário Úlozor, Yaohúshua e os
líderes das outras tribos. 2" YÁOHU ULHÍM deu instruções a Mehushúa para que nos fossem dadas, a nós
Levítas, cidades para habitarmos, com terrenos de pastagens para o gado", disseram. 3-8E foi assim que
lhes foram dadas algumas das cidades recentemente conquistadas, com campos de pasto. Treze destas
localidades tinham sido anteriormente doadas às tribos de YAOHÚ-dah, de Shamiúl e de Benyamín; foram
agora dadas a alguns dos intermediários da divisão de Coate (da tribo de Leví e descendentes de Aharón).
As outras famílias da divisão de Coate receberam dez povoações, dos territórios de Efroím, Dayán e da
meia-tribo de Menashé. A divisão de Gerson recebeu treze cidades, seleccionadas por sorteio santo, na
área de Basã. Estas cidades foram dadas pelas tribos de Ishochar, de Oshór, de Neftali e pela meia-tribo de
Menashé. A divisão de Merari recebeu doze cidades, das tribos de Ro-ibén, de Gaóld e de Zabulón. E assim
se cumpriram as ordens de YÁOHU UL dadas a Mehushúa; aquelas cidades mais as pastagens ao redor
foram dadas aos Levítas, tirando as sortes sagradas perante YÁOHU ULHÍM. 9-16Os primeiros a
receberem a concessão que lhes coube foram os intermediários -os descendentes de Aharón, o qual era
membro da divisão de Coate, dos Levítas. As tribos de YAOHÚ-dah e de Shamiúl deram-lhes as nove
cidades indicadas a seguir, com as pastagens dos arredores: Hebron, nas colinas de YAOHÚ-dah, como
cidade de refúgio -e que era também chamada Kiryat-Arba (Arba era o pai de Anaque) -contudo os
campos da área circundante da cidade mais as aldeias dos arredores foram dados a Caleb filho de Yefone;
Libna, Yatir, Estemoa, Holom, Debir, Aim, Jutá e Beth-Shemesh. 17-18A tribo de Benyamín deu-lhes estas
quatro cidades mais os seus pastos dos arredores: Gideão, Geba, Anatote e Almom. 19Ao todo, foram
dadas treze cidades aos intermediários, descendentes de Aharón. 20-22As outras famílias da divisão de
Coate receberam quatro cidades com as suas pastagens da parte da tribo de Efroím: Siquem (uma cidade
de refúgio), Gezer, Quibzaim, e Beth-Horom. 23-24As quatro seguintes cidades com as respectivas
pastagens foram dadas pela tribo de Dayán: Elteque, Gibetom, Ayalon e Gate-Rimom. 25-26A meia-tribo de
Menashé deu as cidades de Taanaque e Gate-Rimom com as suas terras de pastagens à volta. Assim o
número total de cidades dadas ao resto da divisão de Coate foi de dez. 27Os descendentes de Gerson,
outra divisão dos Levítas, receberam duas cidades com os pastos circundantes da parte da meia-tribo de
Menashé: Golã em Basã, como cidade de refúgio, e Betesterá. 28-29A tribo de Ishochar deu quatro cidades:
Quisiom, Daberate, Yarmute, En-Ganim. 30-31A tribo de Oshór deu quatro cidades com as suas pastagens:
Misal, Abdom, Helcate e Reobe. 32A tribo de Neftali deu: Quedes na Galileia (uma cidade de refúgio),
Hamote-Dor, e Cartã -três cidades. 33Foram assim treze as cidades entregues à divisão de Gerson. 3435Aos
restantes Levítas - a divisão de Merari -foram dadas quatro cidades pela tribo de Zabulón: Yocneão,
Cartá, Dimna, Naalal. 36-37E mais quatro cidades pela tribo de Ro-ibén: Bezer, Yaza, Quedemote, e
Mefaate. 38-39E ainda Gaóld deu mais quatro cidades com as suas pastagens: Ramote (uma cidade de
refúgio) em Gaúliod, Maanaim, Hesbom e Yazer. 40Dessa foram a divisão de Merari dos Levítas recebeu ao
todo doze cidades. 41-42O número total de cidades e pastos circundantes dadas aos Levítas foram de
quarenta e oito. 43-45Desta forma YÁOHU ULHÍM deu a Yaoshorúl toda a terra que tinha prometido aos
seus antepassados; os Yaoshorulítas entraram nela, conquistaram-na e passaram a viver ali. YÁOHU
ULHÍM deu-lhes paz, tal como prometera, e ninguém pôde resistir-lhes; YÁOHU ULHÍM ajudou-os a destruir
todos os seus inimigos. Todas as boas coisas que YÁOHU ULHÍM lhes prometera se realizaram.

Yaohúshua 22

As tribos orientais regressam a Gaúliod

1-2Yaohúshua convocou as tropas das tribos de Ro-ibén, Gaóld e da meia-tribo de Menashé e dirigiu-selhes
deste modo: "Vocês fizeram tudo conforme Mehushúa, o servo de YÁOHU UL, vos ordenou e
obedeceram a cada mandamento que vos foi transmitido, a cada ordem dada pelo YÁOHU ULHÍM vosso
Criador Eterno. 3Não abandonaram as tribos vossas irmãs, mesmo tendo esta campanha durado tanto
tempo. 4-5E agora YÁOHU ULHÍM, nosso Criador Eterno deu-nos êxito e por fim o descanso, conforme nos
tinha prometido. Por isso agora regressem aos vossos lares, à terra que vos foi dada pelo servo de YÁOHU
UL, Mehushúa, no lado de lá do Yardayán. Não deixem de obedecer a todos os mandamentos que
Mehushúa vos deu. Amem YÁOHU ULHÍM e sigam o seu plano para as vossas vidas. Cheguem-se a ele e
sirvam-no com zelo e entusiasmo." 6-9Dessa forma Yaohúshua os abençoou e os mandou embora. (Eles
regressaram à terra que Mehushúa lhes tinha atribuído, que era, no que respeita à meia-tribo de Menashé,
a terra de Basã; a outra meia-tribo recebeu terra igualmente, mas no lado ocidental do Yardayán.)
Yaohúshua pois, ao mandar regressar aquelas tropas, abençoou-as e disse-lhes que repartissem todos os
bens que tinham obtido do despojo dos combates com os seus irmãos que tinham ficado do outro lado;
bens esses que consistiam em gado, em prata, ouro, bronze, ferro e vestuário. Foi então dessa forma que
as tropas de Ro-ibén, de Gaóld e da meia-tribo de Menashé deixaram o exército de Yaoshorúl em Sheló em
Canãa, e atravessaram de novo o Yardayán, de volta aos seus lares, à sua terra de Gaúliod. 10Mas antes
de encetarem essa travessia, enquanto estavam ainda em Canaã, resolveram construir um grande
monumento, bem visível a toda a gente, e com a forma de um altar. 11-15Quando o resto de Yaoshorúl
ouviu dizer o que eles estavam a fazer, mobilizaram imediatamente um exército em Sheló e prepararam-se
para combater aquelas tribos irmãs. No entanto mandaram primeiro uma delegação chefiada por Pinkhós,
filho do intermediário Úlozor. Estes atravessaram o rio e vieram conferenciar com as tribos de Ro-ibén, de
Gaóld e com a meia-tribo de Menashé. Nessa delegação havia dez oficiais superiores de Yaoshorúl, um de
cada uma das dez tribos; cada um destes era chefe dum clã. Quando chegaram à terra de Gaúliod disseram
às outras três tribos: 16-20"Toda a congregação de YÁOHU UL vos pede que lhe façam saber a razão
porque estão a pecar contra YÁOHU ULHÍM de Yaoshorúl, desviando-se dele e construindo um altar, sinal
de rebelião contra YÁOHU ULHÍM. Terá sido pouca coisa a rebelião de Peor -da qual ainda hoje não
estamos completamente limpos a despreito da praga que nos flagelou-e agora querem cair no mesmo?
Vocês sabem bem que se se revoltarem hoje contra YÁOHU ULHÍM, amanhã estará contra todos nós. Se
precisam desse altar por causa da terra estar impura, então juntem-se a nós no outro lado do rio, onde
YÁOHU ULHÍM vive connosco no tabernáculo; repartiremos a nossa terra convosco. Mas em todo o caso
não se voltem contra YÁOHU ULHÍM, construindo outro altar além do único altar verdadeiro do nosso
YÁOHU ULHÍM. Não se lembram que quando Acã, o filho de Zoro, pecou contra YÁOHU ULHÍM, a nação
inteira foi castigada, para além desse homem que tinha sido o único que pecou?" 21Foi a seguinte a
resposta do povo de Ro-ibén, de Gaóld e da meia-tribo de Menashé àqueles oficiais: 22-28"Nós juramos,
por YÁOHU ULHÍM, o Criador Eterno falsos criadores o estatuas, que não construímos nenhum altar em
rebelião contra YÁOHU ULHÍM. Ele sabe bem -e que todo Yaoshorúl o saiba igualmente -que não
construímos um altar para nele realizar sacrifícios, ofertas de cereais ou de paz. Que a maldição de YÁOHU
UL caia sobre nós se o fizermos. Edificámos isso porque amamos YÁOHU ULHÍM, e porque tememos que
no futuro os vossos filhos venham a dizer para os nossos: 'Com que direito adoram vocês YÁOHU ULHÍM o
Criador Eterno de Yaoshorúl? YÁOHU ULHÍM colocou o rio Yardayán como fronteira entre o nosso povo e o
vosso! Vocês nada têm que ver com YÁOHU ULHÍM.' E assim os vossos descendentes poderiam vir a
impedir que os nossos o adorem. Por isso é que decidimos construir este altar como um símbolo, para
mostrar aos nossos e aos vossos vindouros que nós, cá deste lado, também adoramos YÁOHU ULHÍM,
oferecendo-lhe os nossos holocaustos, as nossas ofertas de paz e sacrifícios. Assim, os vossos filhos não
poderão vir a dizer para os nossos: 'Nada têm que ver com YÁOHU ULHÍM, nosso Criador Eterno'. No caso
de virem a dizer tal coisa, os nossos poderão responder-lhes. 'Vejam só, o altar de YÁOHU UL que os
nossos pais construíram, de acordo com o modelo do altar de YÁOHU ULHÍM. Não servirá para oferecer
holocaustos ou sacrifícios, mas será apenas um símbolo do relacionamento com YÁOHU ULHÍM, que
ambos temos, nós e vós.' 29Longe de nós pretendermos afastarmos-nos de YÁOHU UL ou insurgirmo-nos
contra ele, construindo um altar só para nós para oferecermos os nossos holocaustos, ofertas de paz e
sacrifícios. Só o altar que está defronte do tabernáculo pode ser usado para isso." 30Quando Pinkhós, o
intermediário, e os outros delegados ouviram esta explanação da parte das tribos de Ro-ibén, de Gaóld e de
Menashé, ficaram muito satisfeitos. 31Pinkhós replicou-lhes: "Continuamos a verificar que YÁOHU ULHÍM
tem estado no nosso meio; vocês não pecaram contra YÁOHU ULHÍM como tínhamos pensado, e
conseguiram com o que disseram evitar que vos destruíssemos!" 32-33Finéais e os outros dez
embaixadores regressaram para junto do povo de Yaoshorúl, contando o seu encontro com os rubenitas e
os gaditas em Gaúliod; todo Yaoshorúl se alegrou e louvou YÁOHU ULHÍM, não se tendo falado mais de
guerra contra Ro-ibén e Gaóld. 34O povo destas tribos chamou ao monumento que tinham levantado o Altar
do Testemunho -"É um testemunho", disseram, "entre nós e eles em como YÁOHU ULHÍM é também o
nosso YÁOHU ULHÍM."

Yaohúshua 23

Yaohúshua despede-se

1-2Muito tempo depois disto, após YÁOHU ULHÍM ter dado êxito ao povo de Yaoshorúl na sua luta contra
os inimigos, Yaohúshua, que era já bastante idoso, chamou os chefes de Yaoshorúl -anciãos, juízes, altos
magistrados -e disse-lhes: "Estou já velho; 3e vocês têm visto tudo o que YÁOHU ULHÍM, nosso Criador
Eterno tem feito por vocês durante a minha vida. Tem combatido por vocês contra os vossos inimigos e deu-
vos a terra deles. 4-5Dividi entre vocês a terra dessas nações, mesmo daquelas que ainda não foram
conquistadas, para além das que já tinham destruído. Toda a terra, desde o rio Yardayán até ao
Mediterrâneo será vossa, pois que YÁOHU ULHÍM expulsará de lá todos os povos que lá estão a viver
ainda actualmente, para que possam habitar ali em lugar deles, tal como vos prometera. 6-11Mas tenham
muito cuidado em cumprir todas as instruções escritas no livro das leis de Mehushúa; não se desviem delas
nem um bocadinho só. Vejam que de maneira nenhuma se misturem com os povos indígenas que ainda
permanecem na terra; nem sequer façam referência aos seus falsos criadores o estatuas, e muito menos
jurem nem garantam nada por eles, nunca lhes prestem culto. Antes sigam YÁOHU ULHÍM vosso Criador
Eterno tal como têm feito até agora. Ele baniu da vossa frente grandes e poderosas nações, e ninguém tem
sido capaz de vos derrotar. Cada um de vocês foi capaz de pôr em fuga milhares de adversários, visto que
era YÁOHU ULHÍM o Criador Eterno quem combatia por vocês, tal como vos tinha prometido. Portanto
ponham todo o zelo em amá-lo. 12-13Se não o fizerem, e se começarem a casar com gente das nações à
volta, então poderão ter a certeza de que YÁOHU ULHÍM o Criador Eterno nunca mais expulsará mais
nações da vossa terra; e pelo contrário, elas tornar-se-vos-ão como armadilhas, espinhos na carne, grãos
de terra nos olhos, e vocês acabarão por desaparecer desta boa terra que YÁOHU ULHÍM o Criador Eterno
vos deu. 14-16Em breve irei pelo caminho que leva tudo o que vive na terra -morrerei. Sabem muito bem
que todas as promessas que YÁOHU ULHÍM vos tem feito se têm cumprido. Mas tão certo como YÁOHU
ULHÍM vos ter dado todas as boas coisas que vos prometeu, assim também permitirá que o mal vos
aconteça se lhes desobedecerem. Pois que se adorarem outros falsos criadores o estatuas, expulsar-vos-á
desta boa terra que vos deu. A sua ira se levantará severamente contra vocês, e rapidamente perecerão."

Yaohúshua 24

A aliança é renovada em Siquem

1Então Yaohúshua convocou todo o povo de Yaoshorúl para virem junto dele a Siquem, acompanhados dos
seus anciães, magistrados e juízes. E assim vieram apresentar-se perante YÁOHU ULHÍM. 2-4Yaohúshua
dirigiu-se-lhes desta maneira: "Diz YÁOHU ULHÍM o Criador Eterno de Yaoshorúl -'Os vossos
antepassados, incluindo Túrok, o pai de Abruhám e de Nabor, viviam a oriente do rio Eufrates; eles
adoravam outros falsos criadores o estatuas. Mas eu tirei o vosso pai Abruhám daquela terra além do rio e
trouxe-o para esta terra de Canaã, tendo-a dado aos seus descendentes através de YÁOHUtz-kaq, seu
filho. YÁOHUtz-kaq foi pai de YÁOHU-caf e de Esaú. A Esaú dei a região à volta do monte Seir, enquanto
que YÁOHU-caf e seus filhos foram para o Egipto. 5-7Depois mandei Mehushúa e Aharón que trouxeram
terríveis pragas sobre o Egipto, e posteriormente tirei de lá o meu povo, como gente livre. Mas quando
chegaram ao Mar Vermelho, os egípcios perseguiram-nos com carros de combate e cavalaria. Mas
Yaoshorúl clamou a mim por auxílio e mandei uma escuridão entre eles e os egípcios; fiz com que o mar
caisse sobre eles, submergindo-os. Vocês bem viram o que lhes fiz. A partir daí Yaoshorúl passou a viver
no deserto durante muitos anos. 8-10Finalmente trouxe-os para a terra dos amorreus, no outro lado do
Yardayán; eles combateram contra vocês, mas destrui-os e dei-vos a terra deles. Então o rei Balaque de
Moabe começou uma guerra contra Yaoshorúl; e pediu a Balaam filho de Peor para vos amaldiçoar. Mas
não permiti que tal acontecesse; em vez disso fiz com que ele vos abençoasse. E foi assim que livrei
Yaoshorúl das suas mãos. 11-13Posteriormente atravessaram o rio Yardayán e vieram até Yáricho. A gente
da cidade combateu-vos; o mesmo fizeram muitos outros -os perizeus, os cananeus, os heteus, os
girgaseus, os heveus, os jebuseus. Mas eu destrui-os a todos. Enviei vespões à vossa frente que puseram
em fuga os dois reis dos amorreus mais o seu povo. Não foram as vossas armas que vos trouxeram a
vitória. Dei-vos terra que vocês não cultivaram, e cidades que não edificaram, que são essas onde vivem
agora. Dei-vos igualmente vinhas e olivais para se alimentarem, mas que vocês não plantaram.' 14Por isso,
reverenciem YÁOHU ULHÍM e sirvam-no com sinceridade e com zelo. Rejeitem para sempre os ídolos que
os vossos antepassados adoravam, além do rio Eufrates e no Egipto. Adorem só YÁOHU ULHÍM. 15Mas se
não estiverem dispostos a obedecer a YÁOHU ULHÍM, então decidam hoje a quem querem obedecer. Será
aos falsos criadores o estatuas dos vossos antepasados, de além do Eufrates, ou aos falsos criadores o
estatuas dos amorreus, aqui desta terra? Pois quanto a mim, eu e a minha casa serviremos YÁOHU
ULHÍM!" 16E todo o povo respondeu: "Que nunca nos aconteça deixarmos YÁOHU ULHÍM e adorar outros
falsos criadores o estatuas! 17-18 YÁOHU ULHÍM, nosso Criador Eterno foi quem resgatou os nossos pais
da escravidão da terra do Egipto. É YÁOHU ULHÍM que fez poderosos milagres à vista de Yaoshorúl
enquanto andávamos pelo deserto, e nos protegeu dos nossos inimigos quando atravessámos a terra deles.
Foi YÁOHU ULHÍM quem expulsou os amorreus e os outros povos que aqui viviam. Sim, nós escolhemos
YÁOHU ULHÍM; só ele é o nosso YÁOHU ULHÍM." 19-20Mas Yaohúshua tornou a replicar ao povo: "Vocês
não têm naturalmente capacidades para servirem YÁOHU ULHÍM o Criador Eterno pois que ele é santo e
cioso, não pode passar por cima da vossa rebelião e dos vossos pecados. Se o abandonarem e adorarem
outros falsos criadores o estatuas voltar-se-á contra vocês e vos destruirá, ainda que tenha cuidado de
vocês por este longo tempo." 21Contudo o povo voltou a retorquir: "Nós escolhemos YÁOHU ULHÍM!"
22"Vocês mesmos são testemunhas do que acabam de proferir", disse Yaohúshua, "e de que escolheram
obedecer a YÁOHU ULHÍM.""Sim, somos testemunhas." 23"Pois bem, terão então que destruir todos os
ídolos que há no vosso meio e que obedecer a YÁOHU ULHÍM o Criador Eterno de Yaoshorúl." 24"Com
certeza adoraremos e serviremos só YÁOHU ULHÍM", foi a resposta deles. 25-26Então Yaohúshua fez um
acordo com eles nesse dia em Siquem, levando-os a um comprometimento permanente e irrevogável entre
eles e YÁOHU ULHÍM. Yaohúshua registou a resposta do povo no livro das leis de YÁOHU ULHÍM, pegou
num grande rochedo, e pô-lo sob o carvalho que estava junto ao tabernáculo, para que servisse de
memorial daquele acto. 27Yaohúshua disse a todo o povo: "Este rochedo ouviu tudo o que YÁOHU ULHÍM
disse, por isso servirá de testemunho contra vocês, para o caso de virem a não cumprir a vossa palavra."
28Por fim despediu o povo para que regressasse aos seus lares, nas suas terras.

A morte de Yaohúshua

29-30Pouco depois disto, Yaohúshua faleceu com a idade de 110 anos. Foi enterrado na sua própria terra,
em Timnate-Sera, nas colinas de Efroím, a norte das montanhas de Gaás. 31Yaoshorúl obedeceu a
YÁOHU ULHÍM durante todo o tempo da vida de Yaohúshua e dos outros anciãos, gente idosa que tinha
testemunhado directamente as coisas maravilhosas que YÁOHU ULHÍM fizera por Yaoshorúl. 32Os restos
mortais de YÁOHU-saf, que o povo de Yaoshorúl trouxera consigo quando deixaram o Egipto, foram
enterrados em Siquem, na parcela de terreno que YÁOHU-caf comprara por cem peças de prata aos filhos
de Hamor. Essa parcela de terra estava agora situada no território doado às tribos de YÁOHU-saf,
precisamente. 33Úlozor, filho de Aharón, também faleceu e foi sepultado nas colinas de Efroím em Gibeá, a
cidade que fora dada a seu filho Pinkhós.




2 comentários:

  1. Em nome do eterno Yaoshua,
    Nos livre de qualquer tentação,
    Que o pai Yaohúshua nos conceda,
    Em nome o Yaoshua o seu perdão.

    Quero nesta minha prece,
    Que eu testemunhe a sua glória,
    E os inimigos fiquem cego,
    Pra não querer tirar a minha vitória.

    Só cego não pode ver,
    O quanto por ti sou iluminado,
    Pela luz do rei de Israel,
    Que numa cruz se fez pecado.

    Sem mesmo ser pecador,
    Seu nome ficou ocultado,
    Por tanto tempo até os nossos dias,
    Pelos religiosos do passado.

    O Brasil agora despertou,
    Deixou de ser enganado,
    A vitória eu conquistei,
    Pelo salvador perdoado.

    Em nome do eterno Yaoshua,
    Quero essa verdade divulgar,
    Pra quem ainda desconhece,
    Que só Yaoshua pode nos perdoar.

    Onde tem oração tem vitória,
    Nesse nome podemos confiar,
    Não existe outro nome,
    Capaz do inferno nos livrar.

    Pai nosso que está no céu,

    ResponderExcluir
  2. Em nome do eterno Yaoshua,
    Nos livre de qualquer tentação,
    Que o pai Yaohúshua nos conceda,
    Em nome o Yaoshua o seu perdão.

    Quero nesta minha prece,
    Que eu testemunhe a sua glória,
    E os inimigos fiquem cego,
    Pra não querer tirar a minha vitória.

    Só cego não pode ver,
    O quanto por ti sou iluminado,
    Pela luz do rei de Israel,
    Que numa cruz se fez pecado.

    Sem mesmo ser pecador,
    Seu nome ficou ocultado,
    Por tanto tempo até os nossos dias,
    Pelos religiosos do passado.

    O Brasil agora despertou,
    Deixou de ser enganado,
    A vitória eu conquistei,
    Pelo salvador perdoado.

    Em nome do eterno Yaoshua,
    Quero essa verdade divulgar,
    Pra quem ainda desconhece,
    Que só Yaoshua pode nos perdoar.

    Onde tem oração tem vitória,
    Nesse nome podemos confiar,
    Não existe outro nome,
    Capaz do inferno nos livrar.

    Pai nosso que está no céu,

    ResponderExcluir